SEGURANÇA SOCIAL

Incêndio em lar faz dois mortos. Plano de segurança em causa

O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social prometeu averiguar "com rigor" as causas do incêndio num centro de acolhimento da Segurança Social, em Lisboa, que provocou dois mortos e 27 feridos, e garantiu apoio aos afectados. "É responsabilidade do Estado averiguar o que se passou e criar as melhores condições para todos aqueles que necessitem de apoio", disse o ministro Vieira da Silva.

Além das investigações dos serviços competentes, Vieira da Silva disse que o próprio ministério vai "recolher informação" e "serão desencadeados todos os processos para perceber quais as causas que estiveram na origem do incêndio", ocorrido na última madrugada.

Apesar de referir não dispor de "informação muito detalhada", o ministro disse que o centro tinha sido alvo de obras de manutenção "recentemente" e que os sistemas de prevenção de incêndios "estavam instalados conforme a lei estipula". "Aconselha a prudência que possamos averiguar com rigor o que esteve na origem do incêndio e depois tirar as ilações", frisou.

Segundo Vieira da Silva, "muitos equipamentos [do género] têm sido alvo de acções de fiscalização e até alguns têm sido encerrados, mas, neste caso, trata-se de um equipamento da responsabilidade do sistema de Segurança Social e, por maioria de razão, deve ser alvo de uma averiguação".

O incêndio desta madrugada terá deflagrado no terceiro andar do centro de recolhimento da Segurança Social, que ocupa parte das instalações do Convento da Encarnação e onde residiam 67 pessoas.

Duas pessoas morreram e 27 ficaram feridas, a maior parte por inalação de fumo, tendo sido transportadas para os hospitais da Marinha, de S. José, Santa Maria e Curry Cabral.

As chamas irromperam às 03:17, tendo o incêndio ficado extinto às 04:55. Segundo a responsável pelo centro de recolhimento de Segurança Social, Maria José Relvas, existe a suspeita de o fogo ter sido provocado por um cigarro mal apagado de uma das duas idosas, que acabou por falecer.

Questionada sobre o plano de segurança do lar, ao qual os bombeiros também apontaram algumas falhas, a directora admitiu que são necessárias alterações no plano. A última inspecção dos bombeiros, adiantou, terá sido realizada há seis anos, e foi essa vistoria que levou à colocação de meios de primeiro socorro no edifício.

Questionada sobre se tem confiança nos meios de socorro disponíveis, a directora respondeu: "no quinto andar, não". Maria José relvas contou também que estão em curso obras no claustro
do edifício para transferir, para aí, a unidade do lar, actualmente no quinto andar, e que tem apenas 10 pessoas.
Este edifício é um dos 45 equipamentos de resposta directa da Segurança Social na região de Lisboa e acolhe além de idosos famílias que necessitam de apoio social. Além de lar de idosos funcionam no edifício pequenos apartamentos onde as pessoas vivem de forma auto-suficiente, como era o caso da idosa do apartamento onde deflagrou o fogo.

 

Data de introdução: 2008-04-30



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.