PORTUGAL

Caritas quer mais apoios para prevenir fome

A Comissão Permanente da Caritas Portuguesa alertou as autoridades para prepararem programas de apoio a carenciados tendo em conta a crise alimentar mundial que, prevêem, irá causar danos graves no país.

De acordo com a Caritas Portuguesa, em Portugal gasta-se uma «fatia enorme de recursos» a «pagar quase dois terços do que consome, designadamente produtos alimentares» pelo que o país está «na linha da frente» daqueles que mais sofrem «com a elevação dos preços internacionais e a escassez dos bens de primeira necessidade no mercado».

«O espectro da fome paira assim sobre a cabeça dos mais necessitados, incluindo de muitos portugueses», com «muita gente a viver abaixo do limiar de pobreza e com esquemas de apoio social muito deficientes», considera a Caritas.

Para tentar «minorar o impacto nefasto desta crise alimentar» a nível mundial, a Comissão Permanente da Caritas Portuguesa reclama aos Governos para que deixem de «apoiar a produção de produtos energéticos a partir de produtos agrícolas» [biocombustíveis] mas também que criem «pacotes especiais» de leis que prevejam o «apoio social para atender aos casos mais prementes».

No caso português, considera a Caritas, as autoridades devem redobrar os «apoios aos mais carenciados, distribuindo bens de primeira necessidade aos mais necessitados e com manifesta escassez de recursos financeiros e alimentares», um esforço que deve ser seguido pelo resto da população.

Os portugueses devem ser alertados para a sua «responsabilidade na luta contra o desperdício de produtos energéticos e de bens alimentares» e as autoridades e organizações não governamentais devem aumentar a sua atenção aos casos problemáticos.

Além disso, a Caritas quer a «preparação, atempada, de programas específicos e simplificados de modo a que os habituais intervenientes se possam candidatar, logo que necessário, para rapidamente prepararem programas de apoio dirigidos aos mais pobres».

A criação de «programas de formação e ocupação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração», mãos apoio ao auto-emprego com recurso ao microcrédito e o cumprimento das recomendações do Banco Mundial para «minorar ou eliminar as bolsas de pobreza em Portugal» são outros dos apelos feitos pela Caritas Portuguesa.

Numa nota denominada, «os preços do petróleo, a escassez de bens de primeira necessidade e a fome em Portugal e no Mundo» a instituição que representa a pastoral social dos leigos na Igreja aponta o custo do petróleo e a aposta nos biocombustíveis como os factores principais para esta crise alimentar que se avizinha.

Por um lado, a «subida em flecha dos preços do barril petróleo» provocaram uma escalada do custo da «produção de bens manufacturados» mas também da própria produção agrícola devido ao transporte e ao trabalho dos «tractores e outras alfaias agrícolas».

«Os bens chamados matérias-primas subiram igualmente porque é necessário agricultá-los, colhê-los, transformá-los e transportá-los para os mercados e todas estas operações consomem energia cada vez mais cara», aumentando os «preços dos bens de primeira necessidade como o leite e os cereais».

Além disso, a aposta nos biocombustíveis fez disparar o preço dos cereais e «os mais atingidos por esta escassez de produtos de primeira necessidade e pela enorme elevação dos seus preços são os países mais pobres».

Mas além destes, mesmo na Europa estão em risco os «habitantes das classes mais baixas, os desempregados e até os novos pobres que se deixaram entalar por situações de sobreendividamento motivada pela simultânea elevação das taxas de juro», conclui a Caritas.

* Com Lusa







 

Data de introdução: 2008-05-05



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.