MISERICÓRDIA DE LISBOA

Provedor Rui Cunha reconduzido no cargo por mais três anos

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Rui Cunha, vai ser reconduzido no cargo por mais três anos ao ter aceite o convite do Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social para um novo mandato à frente da instituição.

Em declarações à agência Lusa, Rui Cunha, que sucedeu em 2005 a Maria José Nogueira Pinto, disse que aceitou a recondução "com orgulho, entusiasmo e forte determinação" e que o novo mandato se vai pautar por três grandes objectivos: qualidade, eficácia e inovação.

Nos próximos três anos, adiantou, a instituição pretende fazer mais e melhor e do ponto de vista da inovação está prevista a reconversão de instalações que actualmente não têm condições para ser apoio a crianças ou a idosos. Estas instalações, explicou Rui Cunha, podem ser requalificadas para serem alugadas e rentabilizadas. Por outro lado, segundo o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a instituição está também a intervir em 50 instalações antigas que necessitam de ser requalificadas.

Dos últimos três anos, Rui Cunha faz um balanço positivo com saltos qualitativos e quantitativos no apoio aos segmentos mais vulneráveis da sociedade - missão principal da SCML -, como as crianças e os idosos com o aumento do número de utentes apoiados.

No apoio à família e à criança, os dados indicam que a instituição passou de 924 lugares em 2005 para 1.253 lugares em 2008 enquanto que no que respeita às creches familiares os lugares quase que duplicaram, passando de 188 para 308.

Relativamente ao apoio a idosos, segundo Rui Cunha, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa apoia cerca de cinco mil pessoas em centros de dia, apoio domiciliário, residências temporárias e assistidas assim como em lares lucrativos.

Em matéria de apoio domiciliário, a instituição dispunha de 1.481 utentes em 2005, tendo esse número subido para os 2.085 utentes em 2008. Até Julho, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa fez atendimento médico a 140.987 utentes (mais 30,8 por cento do que em 2005) e realizou um total de 101.794 consultas externas nas suas unidades de saúde, no Hospital Ortopédico de Santana (Carcavelos) e no Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, mais 19,118 em relação a 2005.

Rui Cunha foi secretário de Estado da Inserção Social no primeiro Governo de António Guterres (1995-1999) e desempenhou também funções na área da saúde. Entre 1999 e 2001 foi secretário de Estado Adjunto do Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social e de Março de 2001 a Abril de 2002 foi secretário de Estado Adjunto e dos Transportes, sempre no segundo governo de Guterres.

A Santa Casa da Misericórdia, criada em 1498 pela Rainha D. Leonor, tem 3.863 funcionários, 50 por cento dos quais trabalham na acção social e 28 por cento nos serviços de saúde.

13.08.2008

 

Data de introdução: 2008-08-13



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.