POBREZA

Dimensão social tem sido menosprezada no equilíbrio das políticas europeias

O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social disse, em Lisboa, que "a dimensão social tem sido menosprezada" no equilíbrio das políticas europeias e que a Europa vive níveis críticos de pobreza. Vieira da Silva falava hoje no Forum Europeu sobre Crianças de Rua, promovido pelo Instituto de Apoio à Criança (IAC) e pela Federação Europeia para as Crianças de Rua.

Segundo o ministro, a União Europeia verifica níveis críticos de pobreza infantil e não tem feito tudo ao seu alcance para combater este problema. "Temos de reconhecer e afirmar que, no equilíbrio das políticas europeias, a dimensão social tem sido menosprezada", disse Vieira da Silva.

Em 2010 comemora-se o Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social, momento que para Vieira da Silva será uma oportunidade para uma reflexão mais aprofundada sobre o que pode ser feito "para dar mais força" a este combate.

Segundo Anthony Simpson, da direcção da Federação Europeia, a pobreza infantil é um fenómeno crescente na Europa, estimando-se que existam entre 150 mil e 200 mil crianças a viver na rua.

Para Manuela Eanes, presidente do IAC, as situações de pobreza são uma vergonha para a Europa e para todo o mundo. Em Lisboa, explicou, os meninos de rua já não são só crianças de bairros degradados, mas constituem um fenómeno transversal em todas as classes sociais. São crianças excluídas já não só pela pobreza económica, mas também pela pobreza de valores do meio em que vivem.

Segundo Manuela Eanes, novas populações de etnias diferentes, o aumento do consumo e do tráfico de droga, as migrações e o desemprego foram factores que contribuíram para que as crianças de rua se apresentem hoje de uma maneira diferente, dedicando-se a grande maioria à prostituição.

"Vivem da rua e são vítimas das piores formas de trabalho de rua", disse, adiantando que um dos caminhos para combater este mal passa por interromper o mais precocemente o ciclo de marginalidade onde a criança e o jovem se encontra.

Políticas governamentais adequadas e projectos de intervenção comunitária, num trabalho coordenado das várias instituições, oficiais e particulares, e dos próprios destinatários é o caminho que deve ser percorrido, defendeu Manuela Eanes. Por outro lado, frisou, os movimentos de voluntariado podem ter um papel muito importante.

O objectivo do fórum europeu é contribuir para o processo de reflexão sobre o papel da sociedade civil na promoção da inclusão activa, no âmbito do Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão em 2010 e do futuro da Estratégia de Lisboa depois de 2010.

A conferência adoptará uma declaração conjunta sobre a necessidade de fazer da sociedade civil e da inclusão das crianças de rua um assunto prioritário do Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão em 2010 e definir prioridades chave para o Ano Europeu do Voluntariado em 2011.

06.10.2008

 

Data de introdução: 2008-10-06



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...