LEGIÃO DA BOA VONTADE

Ronda da Caridade leva agasalho e comida aos sem-abrigo

“Olá! Sou a Maria*, uma menina de 19 anos, feitos em Outubro passado. Aqui escrevo pois, quando me lembro quase todas as noites dos kits, das roupas, das ajudas, das palavras e… de uma frase de um senhor cujo nome não sei: “Vá lá Maria! No próximo final de semana não te quero ver aqui”. E assim foi. Mudei de trabalho, ganho mais dinheiro (…) Parava eu na Rua Júlio Dinis. Todas as noites, a partir das 9,30 até às 23,30h à semana e ao fim-de-semana até à hora em que a Legião da Boa Vontade vinha e trazia aquela saborosa sopa e aqueles kits maravilhosos que duravam quase quatro dias. Olho para trás e… tanta gente me queria bem, tanta gente me ajudava.
A verdade é uma: não me esqueço, nem nunca irei esquecer, embora às vezes quando olho para trás, tenha uma lágrima a cair dos olhos.
Se alguma das pessoas que me conheceu ler este e-mail, um beijo enorme e um obrigado por mim e por todos os que estavam na fila comigo”.

O testemunho e as palavras de agradecimento chegaram no passado mês de Janeiro ao correio electrónico da Legião da Boa Vontade (LBV), uma instituição educacional, cultural, de solidariedade social e ecuménica, que actua em Lisboa, no Porto e em Coimbra. A carta virtual pertence a Maria (nome fictício), uma das sem-abrigo que recebia apoio da LBV nas noites do Porto.

Nas madrugadas frias de Inverno, a LBV sai à rua para a Ronda da Caridade e dá apoio a aproximadamente 200 sem-abrigo em Lisboa e cerca de uma centena no Porto. É um trabalho itinerante de apoio a quem dorme na rua, que percorre as principais artérias das cidades do Porto e Lisboa, a distribuir, para além da sopa quente, pão, leite, sumos, frutas, iogurtes, calçado, roupas e cobertores. A Ronda da Caridade é realizada duas vezes por semana no Porto, desde 1993 e três na capital, desde 1998, datas de início do programa em cada cidade. As equipas são constituídas por voluntários e existem algumas diferenças entre ambas as cidades. “No Porto temos quinze locais de paragem e em Lisboa apenas meia dúzia, mas atendemos um número maior de sem-abrigo. No Porto a população está muito mais dispersa”, explica Isabel Teixeira, técnica de serviço social.

Noys RochaEste trabalho estende-se por toda a semana, nas instalações do Centro Social da LBV, onde os utentes recebem orientação, alimentação, roupa e calçado, tendo em vista a reinserção social. “A Ronda da Caridade tem um perfil emergencial, pois é uma situação já instalada que precisa de um apoio imediato, mas no Centro a ideia é conversar com as pessoas para ajudá-las na reinserção”, diz Noys Rocha, assessora da LBV. A instituição funciona num espaço arrendado e uma das lutas que querem levar a cabo é conseguir instalações próprias para poder adaptar ao trabalho que fazem.

No mês de Janeiro, atendendo à vaga de frio e às baixas temperaturas que se fizeram sentir, a instituição reforçou, desde o início do mês, o atendimento aos sem-abrigo, com a realização da Ronda todas as noites na cidade do Porto. “A princípio estávamos apreensivos, porque a ronda é feita por voluntários e não sabíamos se iríamos ter pessoas disponíveis para todos os dias, mas felizmente conseguimos mobilizar muita gente”, explica a assessora. Refira-se que em média a Legião faz 5200 atendimentos por mês, na grande maioria homens. “Há muitos sem-abrigo que têm formação, alguns até superior que estão nas ruas provisoriamente, por alguma situação de infelicidade e são principalmente esses que têm mais capacidade para a reinserção”, explica Noys Rocha.

O projecto nasceu no Brasil, país onde foi fundada a LBV em 1950. Em Portugal, a Legião iniciou o seu trabalho na cidade do Porto, em 1989. Com 20 anos de existência em terras lusitanas, a acção da Legião da Boa Vontade é desenvolvida em todo o país, com sede nas cidades do Porto, Coimbra e Lisboa. Esta acção é efectuada através dos diversos programas existentes: Sorriso Feliz, Um passo em Frente, Ronda da Caridade, Viva Mais, Semente da Boa Vontade, Juventude da Boa Vontade, Campanha do Quilo e Desporto é Vida não-violência. A instituição estende o seu trabalho por vários países: Brasil, Argentina, Bolívia, EUA, Paraguai e Uruguai. Em Portugal a instituição vive de doações e patrocínios de particulares e empresas.

 

Data de introdução: 2009-02-11



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...