FÁTIMA

PROJECTO FAS JUNTOU 555 DIRIGENTES

No dia 4 de Maio, em Fátima, perante uma assistência de 555 dirigentes e trabalhadores das IPSS associadas, que espelhou bem a importância do tema em questão, realizou-se uma reunião da Comissão Nacional de Acompanhamento do Projecto FAS - Formação Acção Solidária, que terá a duração de 2 anos, e irá abranger a nível nacional 62 IPSS. Após a abertura da sessão pelo Presidente da CNIS, Pe. Lino Maia, foi apresentado o primeiro tema - “Planeamento Estratégico e Sustentabilidade nas IPSS” – pelo Dr. António Batista, sublinhando que só com uma estratégia bem definida é que as IPSS podem enfrentar a nova realidade, de forma ganhadora, reforçando os seus valores, acima das regras do mercado, que nesta área começa a desenhar-se. Essa estratégia passa pela abertura à inovação e aos novos problemas sociais, e pela flexibilidade. Exige-se uma real integração no tecido social em que se inserem, com capacidade para ouvir a comunidade e representá-la. As IPSS terão de se diferenciarem, não são Estado, mas também não são empresas.
O segundo tema foi abordado pela Dra. Cláudia Silva, que referiu e o enquadrou no
Programa de Cooperação para o Desenvolvimento da Qualidade e da Segurança das
Respostas Sociais, nas suas duas vertentes:
• Promoção da Segurança e Qualidade do Edificado
• Promoção da Qualidade das Respostas Sociais, que, especificamente, pretende definir requisitos para a avaliação da qualidade, apoiar no desenho dos processos-chave e apoiar no desenvolvimento de ferramentas para a avaliação do grau de satisfação dos utentes/clientes, colaboradores e parceiros, cujos produtos finais são os Manuais de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais.
Estes Manuais são constituídos por:
• Modelo de Avaliação da Qualidade - tem como referência a Norma NP EN ISSO 9001:2000 e o Modelo de Excelência da European Foundation for Quality Management (EFQM) e como filosofia norteadora a melhoria contínua da qualidade dos serviços prestados e três níveis de exigência/qualificação (C, B e A), que permitem a sua implementação gradual ao longo do tempo.
• Manual de Processos-chave da Resposta Social
• Está prevista uma Marca de Qualificação que evidencie o nível de qualificação (C, B, A) por Resposta Social.
Este Sistema produz um conjunto de vantagens, de que se destaca:
• Envolvimento e motivação de toda a equipa;
• Clarificar responsabilidades;
• Permitir, de forma contínua, a eficiência interna;
• Melhoria da imagem da Instituição;
• Assegurar maior participação dos utentes/clientes e famílias;
• Aumentar a competitividade.

Em suma: “resultados excelentes, no que se refere ao Desempenho; Utentes/Clientes,
Pessoas e Sociedade são alcançados através da Liderança, na condução do Planeamento e Estratégia das Pessoas, Recursos e Parcerias e dos Processos”.

No período da tarde, aquando da apresentação do projecto, esteve presente o Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, o Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional e ainda o Secretário de Estado da Segurança Social, entre outros ilustres convidados.
O Dr. Vieira da Silva sublinhou o “crescente papel” que o sector social tem adquirido na sociedade portuguesa e criticou quem vê neste sector “como uma coisa do passado”, “como se fizesse o que os outros não queriam”. Destacou ainda, que o Projecto FAS é uma grande oportunidade “não apenas de formação de técnicos e funcionários das instituições”, mas na “capacitação das instituições em desempenharem o seu trabalho com mais eficácia, eficiência e sustentabilidade”. As palavras do Presidente da CNIS, Pe. Lino Maia, ressaltaram uma “maior articulação entre todas as famílias do sector social”, sejam elas cooperativas, fundações ou misericórdias.
A Equipa de Acompanhamento do Projecto FAS, nas pessoas do Sr. Prof. Dr. Américo Mendes e Dra. Palmira Macedo apresentaram o Projecto. Seguiu-se o testemunho valioso de duas IPSS alvo das acções do projecto, no distrito de Braga.
A sessão prolongou-se para além das expectativas e só terminou perto das 18h00.

 

Data de introdução: 2009-05-10



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...