FÁTIMA

PROJECTO FAS JUNTOU 555 DIRIGENTES

No dia 4 de Maio, em Fátima, perante uma assistência de 555 dirigentes e trabalhadores das IPSS associadas, que espelhou bem a importância do tema em questão, realizou-se uma reunião da Comissão Nacional de Acompanhamento do Projecto FAS - Formação Acção Solidária, que terá a duração de 2 anos, e irá abranger a nível nacional 62 IPSS. Após a abertura da sessão pelo Presidente da CNIS, Pe. Lino Maia, foi apresentado o primeiro tema - “Planeamento Estratégico e Sustentabilidade nas IPSS” – pelo Dr. António Batista, sublinhando que só com uma estratégia bem definida é que as IPSS podem enfrentar a nova realidade, de forma ganhadora, reforçando os seus valores, acima das regras do mercado, que nesta área começa a desenhar-se. Essa estratégia passa pela abertura à inovação e aos novos problemas sociais, e pela flexibilidade. Exige-se uma real integração no tecido social em que se inserem, com capacidade para ouvir a comunidade e representá-la. As IPSS terão de se diferenciarem, não são Estado, mas também não são empresas.
O segundo tema foi abordado pela Dra. Cláudia Silva, que referiu e o enquadrou no
Programa de Cooperação para o Desenvolvimento da Qualidade e da Segurança das
Respostas Sociais, nas suas duas vertentes:
• Promoção da Segurança e Qualidade do Edificado
• Promoção da Qualidade das Respostas Sociais, que, especificamente, pretende definir requisitos para a avaliação da qualidade, apoiar no desenho dos processos-chave e apoiar no desenvolvimento de ferramentas para a avaliação do grau de satisfação dos utentes/clientes, colaboradores e parceiros, cujos produtos finais são os Manuais de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais.
Estes Manuais são constituídos por:
• Modelo de Avaliação da Qualidade - tem como referência a Norma NP EN ISSO 9001:2000 e o Modelo de Excelência da European Foundation for Quality Management (EFQM) e como filosofia norteadora a melhoria contínua da qualidade dos serviços prestados e três níveis de exigência/qualificação (C, B e A), que permitem a sua implementação gradual ao longo do tempo.
• Manual de Processos-chave da Resposta Social
• Está prevista uma Marca de Qualificação que evidencie o nível de qualificação (C, B, A) por Resposta Social.
Este Sistema produz um conjunto de vantagens, de que se destaca:
• Envolvimento e motivação de toda a equipa;
• Clarificar responsabilidades;
• Permitir, de forma contínua, a eficiência interna;
• Melhoria da imagem da Instituição;
• Assegurar maior participação dos utentes/clientes e famílias;
• Aumentar a competitividade.

Em suma: “resultados excelentes, no que se refere ao Desempenho; Utentes/Clientes,
Pessoas e Sociedade são alcançados através da Liderança, na condução do Planeamento e Estratégia das Pessoas, Recursos e Parcerias e dos Processos”.

No período da tarde, aquando da apresentação do projecto, esteve presente o Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, o Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional e ainda o Secretário de Estado da Segurança Social, entre outros ilustres convidados.
O Dr. Vieira da Silva sublinhou o “crescente papel” que o sector social tem adquirido na sociedade portuguesa e criticou quem vê neste sector “como uma coisa do passado”, “como se fizesse o que os outros não queriam”. Destacou ainda, que o Projecto FAS é uma grande oportunidade “não apenas de formação de técnicos e funcionários das instituições”, mas na “capacitação das instituições em desempenharem o seu trabalho com mais eficácia, eficiência e sustentabilidade”. As palavras do Presidente da CNIS, Pe. Lino Maia, ressaltaram uma “maior articulação entre todas as famílias do sector social”, sejam elas cooperativas, fundações ou misericórdias.
A Equipa de Acompanhamento do Projecto FAS, nas pessoas do Sr. Prof. Dr. Américo Mendes e Dra. Palmira Macedo apresentaram o Projecto. Seguiu-se o testemunho valioso de duas IPSS alvo das acções do projecto, no distrito de Braga.
A sessão prolongou-se para além das expectativas e só terminou perto das 18h00.

 

Data de introdução: 2009-05-10



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...