FAS

Projecto espalha-se pelo país

Promovida pela Comissão de Acompanhamento e Disseminação de Boas Práticas do Projecto FAS, na sede da UDIPSS-Porto, realizou-se, no dia 30 de Setembro, a 1ª reunião de avaliação dos trabalhos desenvolvidos nesta primeira fase de diagnóstico e elaboração dos planos de formação e início das primeiras acções de formação. Para além das representações das IPSS que participam no processo, estiveram presentes também cerca de 40 representantes de Instituições não abrangidas, que quiseram juntar-se a esta fase de reflexão e avaliação. Das diversas intervenções, destaca-se como pontos fundamentais: Na generalidade, a 1ª fase de diagnóstico correu bem; sentiu-se uma relação mais estreita entre a Direcção e os trabalhadores; o trabalho de consultores e formadores deverá ser em contacto directo na IPSS; após o período de formação, houve efectivamente introdução de melhoria na qualidade dos serviços prestados e maior motivação para continuar, por parte dos trabalhadores e Direcções.

No dia anterior, nas instalações do Centro Social Lucinda Anino dos Santos, em Lagos, a Comissão do Projecto FAS, realizou a 1ª reunião com os 16 representantes das duas Instituições abrangidas. Presidiu José Carreiro, presidente da URIPSS-Algarve. Participaram também: Representações da Universidade Católica, dos Consultores e da Entidade Formadora. Foram abordados temas como: enquadramento, objectivos e acompanhamento do Projecto. Sublinharam-se ideias como: Deverá existir relação entre inovação, conhecimento e gestão; Consonância entre todos os intervenientes: Direcção da Instituição, consultores, formadores e trabalhadores; O formador traz o desafio que deve ser trabalhado pelos formandos em casa, de modo a que o resultado final seja mais produtivo e do interesse geral.

No dia 28 de Setembro decorreu em Évora. Para além do Presidente da UDIPSS-Évora, Tavares Correia, a reunião contou com a presença dos representantes das duas Instituições abrangidas, da Universidade Católica, dos Consultores e da Entidade Formadora. Pelo presidente da União Distrital foram referenciados a falta de sustentabilidade, a dimensão, a interioridade e os processos de gestão da maioria das IPSS como factores condicionantes das actividades das IPSS do distrito, ao que os representantes da Comissão de Acompanhamento do FAS informaram ser este o momento oportuno, utilizando como um recurso que concorra para que as duas Instituições abrangidas identifiquem as suas necessidades e para a melhoria da qualificação dos serviços prestados.

No dia 25 de Setembro, a 1ª reunião de avaliação, destinada às 2 IPSS do distrito de Bragança, que desenvolveram acções de formação no âmbito do Projecto FAS, decorreu em Macedo de Cavaleiros. No encontro foi salientada a vantagem da formação em curso que adapta a formação às necessidades reais e a urgência do envolvimento intensivo dos dirigentes na formação, de maior disponibilidade dos trabalhadores e de mais horas de formação.

Já no dia 24 de Setembro, na Escola de Artes e Ofícios Prof. Nuno Rodrigues, em Vila Real, a reunião destinada às 4 IPSS, do respectivo distrito, que desenvolveram acções de formação no âmbito do Projecto FAS. Estiveram presentes o Consultor, uma representação da Universidade Católica e 12 representantes das Instituições abrangidas.

A fase de diagnóstico das necessidades decorreu da melhor forma e já foram elaborados os planos de formação que irão ser administrados pela entidade formadora - Instituto Piaget de Macedo de Cavaleiros. Foi referido, mais uma vez, a necessidade de empenhamento, presença e motivação das Direcções das Instituições em todo o processo.

Na sede da UDIPSS-Lisboa a 1ª reunião contou com a participação de 9 representantes das 4 IPSS do distrito, do Vice-Presidente da União Distrital, José Casaleiro, e de Palmira Macedo, da Universidade Católica. Após as palavras de boas vindas de José Casaleiro, Palmira Macedo sublinhou aspectos, como: a formação/acção será implementada modularmente de acordo com o plano individual e de organização identificado em cada IPSS; todas as áreas funcionais serão mobilizadas e a formação será transversal à Instituição; a incidência prioritária será para os funcionários com menores qualificações.

No mesmo dia, na sede da UDIPSS-Setúbal, participaram o presidente, 12 representantes das 4 IPSS. Nesta reunião, por António Batista, foi sublinhada a importância da fase do diagnóstico das necessidades em cada IPSS: O diagnóstico permitirá elaborar um plano de acção que identifique as mudanças a efectuar e estabelecerá o plano de formação para o desenvolvimento organizacional; elaboração de um diagnóstico participado de necessidades formativas a dois níveis: problemas existentes na organização; áreas de potencialidade e de oportunidades de melhoria e qualificação organizacional; plano de formação identificando as áreas temáticas e as soluções previstas para os problemas e a melhoria.

No dia 2 de Setembro, O Projecto FAS esteve em Coimbra, nas instalações da Obra de Promoção Social. Participaram 5 representantes da Instituição e a representante da Universidade Católica. Pelo presidente da Instituição, António Pinto de Matos, foram destacadas duas características muito importantes do Projecto FAS: serem as acções de formação realizadas na própria Instituição e a partir dos interesses e necessidades sentidas por cada uma delas. Acrescentou ainda: “as Instituições devem afirmar-se pela qualidade e estar preparadas para enfrentar os novos desafios e a concorrência. A mentalização e sensibilização para as questões burocráticas, devem ser vistas, por vezes, como uma oportunidade de melhorar. O que fica por escrito responsabiliza tanto a Direcção como os trabalhadores, utentes e até os familiares”.

Em Santarém, no dia 2 de Setembro, na sede do Centro de Bem-Estar do Vale Figueira, participaram 14 representantes das 4 IPSS do distrito de Santarém que beneficiam do Projecto FAS, do Vice-Presidente da UDIPSS de Santarém e da representante da Universidade Católica. Foram realçadas ideias como: Muitas vezes os problemas, as necessidades e as oportunidades a atender na melhoria da gestão das Instituições passa por coisas que são, ou devem ser relativamente simples; a atenção às populações a quem as Instituições prestam os seus serviços, pode ser uma fonte de ideias sobre as oportunidades para a prestação de novos serviços e para a diversificação dos mesmos; as formas de acompanhamento e a disseminação do projecto, foram pensadas no sentido de contribuir para desenvolver este tipo de “cultura” e para instituir formas de organização das IPSS, para que sejam capazes de fazer com que ela perdure e se desenvolva para além do termo do projecto FAS.

 

Data de introdução: 2009-10-20



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...