OPINIÃO

Muros que resistem

No final da segunda guerra mundial, a zona norte da península da Coreia estava ocupada pela China, e a zona sul pelos Estados Unidos. Quando se tornaram independentes, em 1948, cada uma das suas metades da península adoptou o regime político dos seus ocupantes: a Coreia do Norte tornou-se um estado comunista, aliado da China, e a Coreia do Sul um estado democrático, aliado dos americanos.

Quando o regime do Norte pretendeu dominar o sul da península, o governo dos Estados Unidos, com o apoio da ONU, saiu em defesa dos seus aliados do Sul, e começou a chamada guerra da Coreia. Uma guerra sangrenta que durou de 1950 a 1953, e que terminou com a celebração de um armistício, marcado por uma instabilidade que permaneceu até aos dias de hoje. Com avanços e recuos, o caminho para uma paz autêntica na península da Coreia teima em não se afirmar.

Sobre as duas Coreias caiu, em 1953, um “muro” que deixou famílias acantonadas de um lado e de outro da nova fronteira, sem possibilidade de se verem ou reencontrarem. Durante mais de cinquenta anos, o governo do norte foi absolutamente inflexível na defesa desta separação, o que significava a proibição de qualquer contacto dos seus habitantes com os do sul, mesmo daqueles que tinham pais, filhos, irmãos ou outros parentes, para lá da fronteira. Nos últimos anos, e quando interessa aos governantes do norte, lá se abre uma excepção, mas logo se aperta a torneira de “generosidade”.

Escolhidos a dedo, alguns coreanos do sul, vão ter agora o privilégio de reverem familiares muito próximos com quem não puderam contactar durante mais de meio século. Esses poucos conservam consigo fotografias dos tempos já distantes em que viveram juntos, não tendo agora uma ideia segura de como serão hoje aqueles que amavam e que desapareceram forçadamente da sua vida. É como nascer de novo, afirmou um deles a um jornal. Mas a alegria do encontro será breve, porque dura apenas o tempo definido por quem é senhor da vida dos outros. E esse tempo é muito curto.
Nos últimos anos, assistimos à queda de muitos muros. Também o “muro” que divide as duas Coreias há-de ruir. Mas, para muitos, a queda já não chegará a tempo…

Por António José da Silva

 

Data de introdução: 2009-10-20



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...