Uma vitória da Sociedade da Comunicação

Ainda há dois meses ninguém era capaz de prever os acontecimentos que se vêm desenrolando no mundo árabe; nem esses acontecimentos, nem a velocidade que os caracterizou. Tratou-se de uma vaga inesperada que, além de inesparada, não encontrou, no seu caminho, obstáculos que a detivessem. É certo que a força dessa vaga não foi idêntica em todos os países por ela atingidos, mas pode dizer-se que o seu impacto chegou praticamente a todo o mundo árabe. Não foi a revolução de um país. Foi o movimento, simultâneo e libertador, de todo um povo.

Mesmo que o neguem agora, a maioria dos analistas e politólogos foram apanhados de surpresa. A situação social e política da Tunísia, do Egipto, do Bahrein, do Iémen, da a Jordânia e, por último, da Líbia, não parecia suficientemente degradada para justificar o perigo de uma qualquer ruptura dramática. Os seus regimes e governos não enfrentavam, pelo menos aparentemente, qualquer ameaça próxima.

É verdade que uma grande parte dos habitantes desses países sofria os efeitos de um sistema social injusto, porque nem todos usufruíam igualmente dos benefícios da riqueza petrolífera, mas não se pode dizer que as suas condições económicas fossem suficientemente graves para justificar uma revolução.

É verdade que a democracia estava longe de ser a característica fundamental dos regimes políticos desses países, mas a democracia, pelo menos a democracia de tipo ocidental, nunca foi, pelo menos aparentemente, o sonho e a reivindicação primeira dos árabes, habituados historicamente a viver num sistema de tipo feudal.
No entanto, manda a verdade dizer que, que sem uma base democrática, qualquer regime tende a violar os direitos humanos e a cair na opressão, e foi isso que sucedeu, com mais ou menos intensidade, em quase todos estes países.

Daí que os gritos pela liberdade e contra a ditadura se fizessem ouvir nas grandes praças onde os militantes da revolução se reuniam para afirmar a força do seu levantamento. Mesmo com a certeza de que muitos deles falavam com o objectivo de garantir o apoio internacional para a sua causa. O facto é que os gritos pela liberdade e pelo fim da autocracia ou da ditadura acabou, pelo menos em alguns casos, por ter eco, dentro e fora do país., mesmo que o caso da Líbia esteja ainda por resolver. Mas, aconteça o que acontecer no futuro, pode dizer-se que este foi - ou está a ser - um movimento triunfante, aparentemente contra todas as expectativas.

Ora a grande explicação para este resultado está naquilo que podemos chamar a força da Sociedade de Informação Já o fim do Império Soviético tinha demonstrado esta força. Agora, são, ou parecem ser, as mudanças no mundo árabe.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2011-03-14



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...