IPSS MADEIRA

CNIS teme cortes no apoio ao sector solidário

O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) manifestou preocupações sobre o futuro das IPSS na Madeira, por causa dos cortes nos “apoios” do Governo Regional. “Elas [Instituições] prestam serviços enormes, são absolutamente necessárias e não podem ser postas em causa”, referiu à Agência ECCLESIA o padre Lino Maia, que marcou presença num seminário sobre "Sustentabilidade das IPSS e responsabilidade face à crise actual", no Funchal.

“Temo que as Instituições de Solidariedade da Madeira venham a passar por uma situação muito difícil, porque têm vindo a beneficiar de apoios muito significativos por parte do Governo Regional e, apesar de não estar nada decidido, estes podem vir a ser muito reduzidos, senão mesmo cortados”, indica o sacerdote.

O assunto vai ser “adequadamente” abordado no encontro, indica o presidente da CNIS, apelando a uma “certa resiliência, por parte das Instituições” e na necessidade de se procurarem “formas de autossustentação”.

Filomena Bordalo, assessora da CNIS; Américo Mendes, docente da Universidade Católica do Porto; Eugénio da Fonseca, presidente da Caritas Portuguesa e Silva Peneda, presidente do Conselho Económico são outros intervenientes neste seminário, que vai ser encerrado pelo padre Lino Maia.

A iniciativa realiza-se no âmbito dos encontros entre a CNIS e as suas associadas de todo o país, incluindo as Regiões Autónomas.

 

Data de introdução: 2011-10-23



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...