CNIS

Balanço do Programa de Emergência Social "é positivo" mas ainda há "muita coisa a fazer"

O presidente da Confederação Nacional das Instituições (CNIS), padre Lino Maia, afirmou que o balanço das medidas do Programa de Emergência Social é "positivo" defendendo, no entanto, que "ainda há muita coisa a fazer". À margem de uma reunião com o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, o presidente da CNIS foi questionado pelos jornalistas sobre o balanço do Programa de Emergência Social (PES), tendo respondido que, apesar de ser "oportuna uma maior celeridade" face às dificuldades e à crise, este é "positivo", salientando, no entanto, que ainda há "muita coisa a fazer". Segundo Lino Maia, este é o "caminho correcto" mas é preciso apostar na qualidade e criarem-se "respostas boas, com qualidade, com segurança", porque senão, ao invés de estarem a ser criadas soluções, criam-se "problemas de difícil solução". "Este sector em que estou, é um sector que é de apoio a todos, mas privilegiaria os mais carenciados. E, para isso, nós temos que evitar dois extremos: o luxo e o lixo, optando pela qualidade, sem dúvida; mas agora o novo nome de qualidade é a sustentabilidade. Não podemos exorbitar", defendeu.

Sobre a linha de crédito para as Instituições Privadas de Solidariedade Social, o presidente da CNIS disse que esta é uma questão que "não está resolvida", antecipando que "deverá estar desbloqueada por estes dias", assim como o Fundo de Emergência Social. "Haverá um enquadramento mais real para que [o Fundo] seja aplicado, exatamente nos casos de absoluta necessidade, com apoio às instituições, porque há casos em que é necessário uma intervenção no sentido de uma gestão mais eficaz, mais atualizada", acrescentou.

Para Lino Maia, houve, de facto, "medidas interessantes" no PES, mas salientou que estas não são de efeito imediato, acrescentando que, apesar de já se verem resultados no terreno, continuam a existir muitas coisas a fazer. "Este caminho que está agora a ser adotado é um caminho positivo. Não quero dizer que, no passado, o que foi feito estava mal feito. Com o Governo anterior, havia duas apostas que, para mim, eram muito importantes: nos equipamentos sociais - e há muitos que estão agora a ser feitos, a serem concluídos - e a aposta na qualidade", recordou.

 

Data de introdução: 2012-04-13



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...