PROTOCOLO

Cooperação entre ANMP, CNIS, União das Misericórdias e União das Mutualidades

Envolvendo a ANMP, a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, a União das Misericórdias Portuguesas e a União das Mutualidades Portuguesas, foi assinado, na sede da ANMP, em Coimbra, um protocolo que pretende "instituir uma relação de cooperação" entre as entidades que o subscreveram. Essa cooperação visa apoiar o "combate à exclusão social", com "vista à promoção de formas de desenvolvimento local, assentes numa lógica solidária", sublinha o documento. No âmbito deste acordo será constituído um grupo de trabalho, que terá como função “aprofundar a parceria entre as entidades" envolvidas no projeto, em diversas áreas, mas dando prioridade à educação, à saúde e à acção social.

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) afirmou, em Coimbra, que as câmaras são cada vez mais confrontadas com a necessidade de responderem aos apelos e problemas sociais dos cidadãos. "Basta analisar uma ordem de trabalhos de uma reunião camarária para se ver a mudança que houve" na agenda dos municípios, sustentou Fernando Ruas, depois de ter participado na sessão de formalização de um protocolo de cooperação entre municípios, instituições de solidariedade, misericórdias e mutualidades.
As câmaras "passaram do caminho ou do abastecimento de água para a resposta da componente social, para a ajuda do pagamento da renda da casa, para a compra de óculos, para o pagamento do médico e dos medicamentos", explicitou. Trata-se de "uma mudança qualitativa" que coloca os municípios "perante uma situação concreta, que é, de facto, uma responsabilidade e um apelo de resposta social aos cidadãos que é crescente", salientou Fernando Ruas. "É consabido" que nas áreas da educação, da saúde e da acção social, "o esforço e dedicação filantrópico das autarquias e dos seus eleitos locais -- muito para além das suas atribuições e competências próprias e sem um envelope financeiro específico - se multiplicaram exponencialmente desde a crise económico-financeira", alertou Fernando Ruas, durante a sessão de formalização do protocolo.
As câmaras municipais são, "o verdadeiro ministério local da Solidariedade e Acção Social", defendeu o líder da ANMP, que também é presidente da Câmara de Viseu. Tal evidência consubstancia-se "num acréscimo, no ano de 2012, de 170% de investimento financeiro em acções sociais de proximidade das autarquias", para "apoios específicos", como "compra de livros e material escolar", concessão de "bolsas de estudo para frequência do ensino superior", apoio domiciliário a idosos, transportes de pessoas sem autonomia motora ou fornecimento de refeições, exemplificou. Aquele tipo de apoios prestados pelas câmaras a famílias carenciadas equivalem a "um total apurado de cerca de 200 milhões de euros", adiantou Fernando Ruas.
Os municípios são, de um modo "cada vez mais determinante e incisivo", actores "imprescindíveis e incontornáveis no quotidiano" das populações, especialmente das pessoas a quem "o drama da crise, do desemprego e da velhice" as tornou "ainda mais vulneráveis", sublinhou.

 

Data de introdução: 2013-03-12



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...