FESTA DA SOLIDARIEDADE

Chama recebida com grande entusiasmo na Guarda

E ao quinto dia… a Chama da Solidariedade chegou ao destino 2013, a cidade mais alta de Portugal, vinda do extremo sul do território nacional numa jornada de cinco etapas em que iluminou muitos lugares e aqueceu muitos corações.
Já o Sol se escondia por detrás da muita montanha que circunda a cidade da Guarda, quando a Chama chegou ao Parque Urbano do Rio Diz, no sopé do monte que alberga o secular aglomerado urbano. Horácio Santiago e Gil Tavares, da UDIPSS de Coimbra entregaram a tocha solidária a Virgílio Ardérius, presidente da congénere da Guarda, no que foi o início de uma confraternização sincera e empenhada das gentes beirãs, que teve o seu ponto alto na Praça Velha, junto à Sé Catedral.
Primeiro apenas com veículos motorizados, muitos carros e ainda mais motas, do Moto Clube da Guarda, e a partir da rotunda do G com cavaleiros e muita gente apeada, com destaque para os Corpo de Escuteiros, a tocha solidária foi levada em ambiente de grande festa e alegria por uma coluna muito significativa, em que a juventude imperava, até à escadaria da Sé Velha, onde, depois de um grupo de escuteiros entregar a chama ao presidente da UDIPSS do distrito, o bispo da Guarda, D. Manuel Felício, fez as honras de acender a pira solidária. A esta altura, as centenas de pessoas que assistiam já haviam formado um cordão humano, definindo o caminho que a chama havia de seguir até à pira soildária.
Foi um momento de grande alegria e comunhão entre todos os presentes, que os oradores, nos discursos que se seguiram, não deixaram de sublinhar.
A autarquia, na pessoa da vereadora da Acção Social Elsa Fernandes, a Segurança Social, na voz do responsável distrital Jacinto Dias, a Direcção da CNIS, pelo presidente-adjunto João Dias, a autoridade eclesiástica local, o bispo D. Manuel Felício, e o anfitrião, Virgílio Ardérius como presidente da UDIPSS da Guarda, deram as boas-vindas a todos, apelaram à participação de todos e, cada um a seu jeito, fizeram o elogio da solidariedade e do inestimável papel das IPSS na vida do País e dos Portugueses.
Um dos momentos mais altos da recepção da Chama da Solidariedade no coração da cidade da Guarda foi a interpretação do Hino da Chama da Solidariedade, da autoria do cónego Geada Pinto, e que teve interpretação ao vivo do grupo de jovens «Dominicas», da Casa da Sagrada Família da Guarda.
“A luz divina tomou cor: no facho a arder, de mão em mão, foi quando a luz se fez calor, para aquecer o coração!”, entoam de início, para no refrão libertarem o espírito da iniciativa: “Luz, luz, luz,/luz é calor, a chama que irradia/proclama o novo dia/da paz e do amor./Luz, luz, luz/luz é calor/o amor nos contagia:/vivemos a alegria/de um mundo bem melhor”.
Finda a sessão (mais) solene, a Exaltação da Luz, como a UDIPSS da Guarda designou esta comunhão da Chama com a celebração de S. Pedro, prosseguiu com muita música e alegria, em que a Banda Jota e o grupo musical Renovação 3 foram os grandes protagonistas.
Com a bênção de D. Manuel Felício, a gentes da Guarda usufruíram até cerca das duas horas da matina de uma noite de grande animação no centro histórico.

COIMBRA TEM MAIS ENCANTO…

Antes de rumar ao destino 2013, a Chama da Solidariedade cumpriu um pequeno périplo matinal por Coimbra. Os responsáveis da UDIPSS, Horácio Santiago, Gil Tavares e José Carvalho, juntamente com o representante da Direcção da CNIS, Eduardo Mourinha, levaram a luz e o calor solidário da Chama até duas das mais antigas instituições sociais conimbricenses.
Primeiro, à Casa dos Pobres de Coimbra, agora sedeada numas novas instalações – curiosamente inauguradas há precisamente dois anos – em S. Martinho do Bispo, onde foram recebidos pelo presidente Aníbal Duarte de Almeida, que realçou a importância da IPSS fundada em 1935 e que, desde então, tem valido a muitos idosos que de outra forma não viveriam uma velhice condigna.
De seguida, a comitiva dirigiu-se à Associação das Cozinhas Económicas Rainha Santa Isabel, bem no coração da cidade. Aqui, aguardavam a Chama a presidente da instituição, Arminda de Lemos, e a directora-técnica, Ana Cristóvão, que recordaram um pouco da história da IPSS, criada no dia 4 de Julho do ido ano de 1933. Com a ajuda das irmãs «Criaditas dos Pobres», a instituição serve no Refeitório Social mais de 500 refeições/dia, acolhe 65 idosos em Centro de Dia e ainda acompanha 20 em Serviço de Apoio Domiciliário.
Para além disto, ainda faz Atendimento Social, criou um Centro de Correspondência (muito útil para os muitos sem-abrigo que não dispõem de endereço) e presta ainda cuidados pessoais de pessoal, imagem e conforto.
Simbolicamente, a Chama da Solidariedade levou o seu calor para que os corações que ao longo de muitas décadas têm auxiliado quem mais precisa não arrefeçam e continuem o excelente trabalho que têm desenvolvido.











P.V.O.

 

Data de introdução: 2013-06-29



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...