CNIS INCENTIVA IPSS A ACOLHER PESSOAS VINDAS DA TURQUIA E DO EGITO

PAR quer acolher mais 340 refugiados e precisa de mais instituições anfitriãs

A CNIS integra a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) desde a sua fundação e tem acompanhado e desenvolvido projetos e acolhido famílias de refugiados, fazendo parte integrante das Comunidades de Hospitalidade.
Em três anos, a PAR já recebeu 144 famílias, num total de 674 pessoas acolhidas em mais de 92 Instituições de Acolhimento.
Recentemente, o Governo Português comprometeu-se em, até ao final de 2019, acolher mais 1.010 refugiados, no âmbito do programa de reinstalação da Turquia e Egito.
Deste 1.010, a PAR comprometeu-se com o acolhimento de 340 pessoas, mas para tal é necessário que mais Instituições de Acolhimento façam «PARte» também desta nova ação.
Importa saber que o acolhimento das famílias é de 18 meses, com a Instituição Anfitriã a comprometer-se em disponibilizar alojamento independente, administrar as bolsas mensais, ajudar com aulas de Português, acompanhar com as inscrições nos serviços públicos, promovendo sempre a autonomização.
Recorde-se que, para este acolhimento, todas as IPSS terão o apoio do Secretariado Técnico da PAR, que dará orientação inicial, apoio no processo e sempre que necessário.
A PAR precisa que mais instituições se disponibilizem para acolher famílias de refugiados, sendo que as que quiserem participar, sendo estreantes ou não, devem contactar a Plataforma pelo e-mail par@jrsportugal.pt, através do qual podem solicitar todos os esclarecimentos.
Até agora, e desde 2016, a PAR já promoveu o acolhimento de 147 famílias, distribuídas por 92 Instituições Anfitriãs, num total de 689 pessoas (355 crianças, 334 adultos), sendo que 40% do total ainda permanece em Portugal.
Recorde-se que muitos dos refugiados que inicialmente foram instalados em Portugal saíram do país, em especial rumo à Alemanha e a outros países da Europa central e do Norte, procurando a reunião com familiares.
Para ser Instituição Anfitriã, as IPSS têm que proporcionar alojamento, entregar uma bolsa mensal no valor de 150 euros por pessoa, fornecer géneros alimentares para confeção e/ou acesso a refeições, em caso de necessidade deve também disponibilizar o acesso a roupa, apoiar no acesso a aulas de Português e na inscrição no Serviço Nacional de Saúde.
Por outro lado, devem ainda ajudar na inscrição dos refugiados menores no respetivo agrupamento de escolas e dos menores de 6 anos na Creche e Ensino Pré-Escolar, apoiar na inserção dos refugiados adultos no mercado de trabalho, na inscrição na Segurança Social e ainda no pedido de concessão de apoios sociais.
Por fim, as instituições deverão incentivar e apoiar o processo de autonomização gradual e crescente das famílias acolhidas, preparando relatórios trimestrais sobre a prossecução dos objetivos no âmbito do acolhimento e integração da família.
Para poder prestar todos estes apoios às famílias de refugiados, as IPSS receberão um apoio financeiro, atribuído pelo Alto-Comissariado para as Migrações, no âmbito dos acordos e fundos europeus para o Acolhimento e Integração de Refugiados, no montante de 7.500 euros por refugiado acolhido. Com este valor a instituição deve financiar as despesas com a bolsa mensal e habitação, entre outras.
Para além do apoio financeiro, a Plataforma de Apoio aos Refugiados conta ainda com um Secretariado Técnico, assegurado pelo Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS Portugal), instituição que assume a missão de acompanhamento de proximidade das Instituições Anfitriãs no seu trabalho de acolhimento e integração.
Esta equipa tem por missão acompanhar as instituições na sua preparação para o acolhimento, fazendo a mediação com outras entidades públicas ou privadas, proporcionando formação específica e contactos com intérpretes, entre outros apoios.
Recorde-se que a PAR surgiu em setembro de 2015 como uma plataforma de organizações da sociedade civil portuguesa para apoiar os refugiados.
Face à urgência de intervenção desde o mesmo ano, mais de 350 organizações portuguesas, muitas delas associadas da CNIS, decidiram cooperar para dar resposta às necessidades dos refugiados dentro de portas, na Europa e nos países mais afetados por esta crise humanitária.
Através dos seus voluntários, membros, instituições de acolhimento e apoio dos cidadãos, a PAR funciona com um modelo colaborativo entre a sociedade civil, o Estado e as entidades de acolhimento, demonstrando assim que a sociedade civil portuguesa é capaz de se mobilizar e responder aos maiores desafios do nosso tempo.

 

Data de introdução: 2019-08-16



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...