PROTEÇÃO CIVIL DE MOURA, BEJA

Mais 15 dias de suspensão de visitas aos utentes dos lares do concelho

A Proteção Civil de Moura (Beja) decidiu prolongar por mais 15 dias a suspensão de visitas aos utentes dos lares do concelho, onde há 46 casos ativos de covid-19 e um morto, informou o município.

A medida preventiva foi decidida após análise, com as instituições particulares de solidariedade social (IPSS), da evolução do número de casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 na região do Alentejo e em especial no concelho de Moura, refere um comunicado divulgado hoje pela câmara.

A decisão, segundo a autarquia, pretende "salvaguardar a segurança e saúde da população mais vulnerável" à covid-19.

"Após o término deste novo período de suspensão, a situação epidemiológica será reavaliada por forma a serem adotadas as medidas que se entendam mais adequadas no tocante à retoma das habituais visitas aos utentes das IPSS", lê-se no comunicado.

As visitas aos utentes dos lares de Moura estão suspensas desde o dia 06 de julho.

Neste concelho alentejano, há um surto de covid-19 na aldeia de Póvoa de S. Miguel, onde na passada sexta-feira foi registada a primeira vítima mortal, um homem de 85 anos.

O idoso morreu na sua residência, sendo o primeiro óbito por covid-19 registado no concelho de Moura.

O coordenador do Serviço Municipal de Proteção Civil, Diogo Saraiva, disse hoje à agência Lusa que neste concelho do Baixo Alentejo permaneciam ativos, no sábado, 46 casos de covid-19, 30 dos quais na Póvoa de São Miguel, 10 em Amareleja e seis em Moura.

No hospital de Beja continuam internadas três pessoas, duas delas de Amareleja e uma relacionada com o surto na Póvoa de São Miguel.

Os primeiros quatro casos positivos na Póvoa de São Miguel foram detetados há mais de duas semanas, mas os testes depois realizados elevaram para 31 o total de infetados na aldeia, número que desceu para 30, após o primeiro óbito.

Portugal contabiliza pelo menos 1.738 mortos associados à covid-19 em 51.463 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

 

Data de introdução: 2020-08-03



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...