EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (I)

A Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) é, e assim tem de continuar a ser, uma Organização não confessional. Durante os vários anos em que colaborarei com o, então, Secretariado Distrital da IPSS de Setúbal e, depois, com a CNIS, fui sempre perentório na recusa da existência de uma outra Confederação ou mesmo União confessional. A minha opção é a de uma maior participação dos dirigentes das instituições confessionais nas iniciativas das atuais Uniões e nas da CNIS.

Também não aceito que uma instância como a CNIS tenha um ideário político vinculado a qualquer ideologia partidária, mas que mantenha sempre a equidistância necessária à defesa da sua autonomia. Como, também, não tem de ser uma instância de oposição a qualquer governo, pese embora haver momentos de desentendimento sobre propostas de medidas políticas, de modelos de cooperação e de apoio às instituições. Pode até ser necessário tornar públicas as discordâncias e de assumir estratégias que incomodem, seja o Governo que for, mas que o único objetivo seja o desejo de uma maior coesão social.

Sempre pensei assim. Mas, a propósito de uma intervenção que me comprometi fazer, reli e aprofundei o capítulo V da magistral Carta Encíclica Fratelli Tutii sobre a Fraternidade e a amizade social. Independentemente das opções religiosas, crentes ou não crentes, seria muito bom para os dirigentes das IPSS a leitura desta Carta. Tendo em conta os desafios que a Europa, e com ela o nosso país, irão enfrentar nos próximos anos, permitam que partilhe convosco o pensamento do Papa sobre alguns temas do capítulo já referido relativo à área política conexos com a identidade, missão e valores das IPSS.

Escreve o Papa: Existem líderes populares capazes de interpretar o sentido de um de um povo, a sua dinâmica cultural e as grandes tendências de uma sociedade. O serviço que prestam, congregando e guiando, pode ser a base para um projeto duradouro de transformação e crescimento, que implica também a capacidade de ceder lugar a outros na busca do bem comum. (…) Mas degenera num populismo insano quando se transforma na habilidade de alguém atrair consensos, a fim de instrumentalizar politicamente a cultura do povo, sob qualquer sinal ideológico ao serviço do seu projeto pessoal e da sua permanência no poder. (…) E o caso agrava-se quando se pretende, com formas rudes ou subtis, o servilismo das instituições e da legalidade. Um povo vivo, dinâmico e com futuro., é aquele que permanece constantemente aberto a novas sínteses, assumindo em si o que é diverso. E fá-lo não se negando a si mesmo, mas com a disposição de se deixar mover, interpelar, crescer, enriquecer por outros, e assim poder evoluir.[1] Este é o maior desafio hodierno que se coloca aos dirigentes das IPSS. Por um lado, apresentarem-se como expressões organizadas do povo da área geográfica abrangente e estabelecerem, com regularidade, formas de diálogo e relação com esse povo; por outro, procurarem estar atentos às transformações que vão acontecendo e abrirem-se a programas, estratégias e ações inovadoras para não travarem a evolução das suas IPSS; há ainda que cuidar, com determinação, da autonomia das instituições, recusando qualquer forma, como diz Francisco, de servilismo ou de determinações legais, mas que possam não ser justas ou desajustadas à realidade do povo que representam; finalmente, ter-se a convicção de que nenhuma IPSS sozinha conseguirá resolver, com eficácia, qualquer problema e que o isolamento só enfraquece, devendo, por isso, estarem disponíveis para fazerem parcerias, que o sejam, de verdade, e não como muitas que existem em que há discriminação institucional, dando maior preponderância a umas que a outras, contrariando o princípio fundamental da democracia que é o da participação livre. As IPSS são espaços propícios à evolução pela proximidade que têm às realidades concretas de cada comunidade humana. Por isso, são indispensáveis para a construção de um progresso integral.

Voltemos ao pensamento de Francisco: …através dos vários recursos que as instituições de uma sociedade organizada, livre e criativa são capazes de gerar. (…) O amor ao próximo é realista e não desperdiça nada que seja necessário para uma transformação da história, que beneficie últimos. (…); entretanto, a multidão dos abandonados fica à mercê da possível boa vontade de alguns. Isto demonstra que é necessário fazer crescer não só uma espiritualidade da fraternidade…[2]  A solidariedade social, que se alicerça, no mínimo, na designada “amizade social”, mas que será mais consistente se tiver como fundamento o amor. Este maior valor humano tem uma expressão muito nítida no respeito e defesa da dignidade humana, com particular atenção pelos que pertencem à “multidão dos abandonados”. É por isso, que nenhum ser humano deve ficar sem apoio de qualquer IPSS só por não ter meios monetários. Seria uma traição à identidade e missão que alguma IPSS excluísse dos seus apoios cidadãos e cidadãs pela sua incapacidade financeira. É óbvio que estas instituições têm como finalidade a inclusão social e não promoverem qualquer tipo de guetização. Ou seja, não defendo que as IPSS sejam só para os abandonados pela sociedade, mas devem dar lugar, preferencialmente, a esses. Para isso o apoio estatal tem de ser maior e positivamente diferenciado. Porque considero importante propor à reflexão dos leitores, fundamentalmente aos que gerem instituições sociais, permitam-me que continue, nos próximos textos, a sublinhar alguns apontamentos do pensamento de Francisco. Julgo que proporcionará um enriquecimento pessoal e como cidadãos comprometidos. Atrevo-me até a sugerir que estas minhas propostas, que não substituem a riqueza de conhecer todo o conteúdo da Carta Encíclica em análise, possam ser, até mesmo, comentadas numa das próximas reuniões de Direção de cada uma das IPSS.

A prática da cidadania tem vindo a enfraquecer-se. Com a COVID 19, por razões já conhecidas, mas por outras que ainda devem ser objeto de estudo, a sociedade civil está a perder as sinergias de intervenção sociopolítica. Uma sociedade assim é anímica e coloca em risco a robustez da democracia. Por isso, é imperioso que os agentes sociais assumam também a missão de “fazedores de opinião” e, para esse efeito, subsídios que promovam novos conhecimentos são indispensáveis. Conto com o interesse dos estimados/as leitores/as.                                                      

 

[1] cf. FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (24 de novembro de 2013), Lisboa, Prior Velho: Editora Paulinas (Secretariado-Geral do Episcopado), 1989, 97-98.

 

Data de introdução: 2022-05-04



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...