HOJE, 17 DE OUTUBRO, NO MUSEU MUNICIPAL DE ESPOSENDE

Conferência sobre Obesidade Infantil

A problemática da obesidade infantil foi o tema escolhido pela Câmara Municipal de Esposende para a realização de uma conferência, que se realiza hoje, dia 17 de Outubro, na Sala dos Azulejos do Museu Municipal, assinalando também o Dia Mundial da Alimentação que se comemorou a 16 de Outubro.

A iniciativa intitulada “Os nossos meninos estão a ficar gordos” desenvolve-se no âmbito da exploração educativa da exposição «Meninos Gordos, contar uma história através da faiança», que se encontra patente no Museu Municipal até 5 de Março de 2006.

A conferência resulta de uma parceria entre a Autarquia, o Museu Municipal e o Centro de Saúde de Braga, que disponibilizou material lúdico e didáctico para a exploração dos Serviços Educativos. O tema será abordado, durante cerca de 30 minutos, por Sandra Lourenço, nutricionista do Centro de Saúde de Braga e tem como público-alvo pais, professores e educadores.

Decorrida a conferência, será realizada uma visita à exposição, conduzida pela comissária científica Isabel Maria Fernandes, também Directora do Museu de Alberto Sampaio.

Meninos gordos em exposição no Museu Municipal

A exposição «Meninos Gordos, contar uma história através da faiança» está patente no Museu Municipal de Esposende e pode ser visitada até 5 de Março de 2006. A exposição é realizada em estreita colaboração com o Museu de Olaria da Câmara Municipal de Barcelos e com o Museu de Alberto Sampaio em Guimarães (Instituto Português Museus).

Esta exposição surge após a publicação do livro intitulado «Meninos Gordos: faiança portuguesa», que conta a história de dois irmãos piemonteses, Mateus e Ana (que em 1842-43, percorreram o nosso país, mostrados em diversos locais, como uma espécie de meninos do circo, tendo o público de pagar 60 réis para assistir ao «espectáculo»), e em como estes meninos de circo se transformaram em vistosos, e hoje valiosos, pratos de faiança.

Como não haviam estes meninos gordos de ser considerados fenómenos e de causar a admiração das Cortes Europeias por onde tinham passado, se Mateus, que tinha 11 anos, pesava 201 kg e media 1,52 m, e a sua irmã Ana, com 9 anos, pesava 129 kg, medindo 1,37m! Ao sabor do «empresário» Teixeira, que os mostrava em casas de espectáculo improvisadas, pelo preço de entrada de 60 réis, os Meninos Gordos correram o Norte de Portugal e causaram espanto e admiração nas gentes de então. Divulgados em gravuras afixadas em locais estratégicos, estes Meninos podiam ser vistos de manhã até à noite. Deixaram Portugal em 1843, mas não deixaram a recordação do Povo, que tal nunca houvera visto! Ficaram para memória futura, perpetuados em gravuras e em peças de faiança executadas nas fábricas Nortenhas. Atente-se nas gravuras, admirem-se os pratos, paliteiros e caneca e será fácil compreender como ainda hoje a vistosa loiça nortenha que retrata Meninos Gordos pôde causar a admiração dos nossos antepassados e a nossa admiração.

A exposição, muito vocacionada para o público mais jovem, estará patente nas cidades de Esposende, Barcelos, e Guimarães e foi organizada de um modo extremamente lúdico, com o objectivo de captar a atenção de novos e velhos, as escolas dos três concelhos e o público em geral. Quando os piemonteses Mateus e Ana chegam a Portugal, corria o ano de 1842, estavam longe de imaginar que a sua vida de Meninos Gordos, que tinha virado Meninos de Circo, haveria de dar em peças de Faiança!

 

Data de introdução: 2005-10-17



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...