II CONGRESSO DA CNIS

Solidariedade à prova dos nove

No rescaldo do II Congresso, realizado em Fátima nos dias 27 e 28 de Janeiro, ainda ecoam nos ouvidos de quem lá esteve, muitas preocupações apresentadas, muitas interpelações sobre políticas sócio-educativas, várias propostas para actuação futura da CNIS.

A Comissão Organizadora do Congresso está de parabéns por ter conseguido, em tão pouco tempo, trazer a debate, entre as Instituições presentes, assuntos da maior importância.

O II Congresso foi também eleitoral. As duas listas concorrentes às eleições apresentaram linhas programáticas e nomes de pessoas para assumirem as responsabilidades nos Órgãos Sociais da CNIS, nos próximos 3 anos.
Através da reportagem do jornal da CNIS, as Associadas tomarão conhecimento do que de mais importante aconteceu neste Congresso.

É costume dizer-se, em situações análogas a estas, que "por um voto se perde e por um voto se ganha" e que "os processos eleitorais cessam no momento em que os resultados são anunciados".

Permito-me transcrever o que escrevi na penúltima crónica: "... que a razão de ser de listas e projectos seja sempre uma resposta às efectivas carências sociais de solidariedade e acção social que os nossos concidadãos mais frágeis reclamam das IPSS que o País se habituou a respeitar e as comunidades humanas onde elas estão inseridas a elas se acolhem na busca de mais bem-estar social".

Mais: na última crónica, sob o título: depoimento, escrevi também: "...seja qual for o evoluir do processo eleitoral e a eleição dos novos Órgãos Sociais, espero que a CNIS saiba preservar o maior património que herdou da UIPSS, a saber: a UNIDADE na diversidade..."

O que se passar nos próximos meses constituirá a verdadeira "prova dos nove" através da qual se compreenderá quem faz da solidariedade uma causa e um serviço ou, ao invés, poderá ser tentado a assumir atitudes e comportamentos menos dignos..., independentemente de ter pertencido, ter sido apoiante ou ter votado na lista A ou na lista B!

As IPSS devem estar de sentinela à preservação da Unidade e saber utilizar a exigência e a colaboração em relação aos novos Órgãos Sociais, de forma a que as linhas programáticas aprovadas pelo II Congresso sejam cumpridas durante o próximo triénio!


SOLIDARIEDADE
EM UNIDADE
NA DIVERSIDADE !.

 

Data de introdução: 2006-02-22



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...