CUIDADOS CONTINUADOS

Instituições disponíveis para colaborar

O presidente da CNIS, Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade, padre Lino Maia, garante que "há total disponibilidade das instituições para criar respostas para os cuidados continuados", embora seja necessário "algum apoio para as implementar", nomeadamente no que toca a equipamento.

Segundo a direcção da CNIS “as IPSS’s estão receptivas aos novos desafios sociais aceitando participar solidariamente na rede de cuidados continuados e alertando para a necessidade de o Estado e as famílias assumirem as suas responsabilidades, nomeadamente, esperando-se que o Estado dote as instituições de recursos técnicos e financeiros e apoie a formação dos recursos humanos para a promoção da qualidade de serviço e que as famílias invertam uma certa propensão para o egoísmo e alheamento sobre a sorte dos mais idosos e fragilizados e não transfiram para as IPSS’s todas as suas competências.”


A CNIS esteve representada, através de João Carlos Dias, na apresentação da Rede de Cuidados Continuados, no dia 21 de Abril, em Lisboa. O Governo deu a conhecer a Rede de Cuidados Continuados em Saúde, que visa diminuir o número de internamentos hospitalares sem indicação para este nível de cuidados e aumentar as camas disponíveis para doentes crónicos e em convalescença.

Aprovada em Conselho de Ministros a 16 de Março, a Rede de Cuidados Continuados de Saúde vai permitir, segundo números divulgados pelo ministro da Saúde no Parlamento, aumentar, até 2010, em 16 mil as camas destinadas aos doentes crónicos e reduzir em cinco por cento o número de camas hospitalares ocupadas por pessoas que não necessitam deste nível de cuidados.

O objectivo dos cuidados continuados, vocacionados essencialmente para idosos e pessoas com dependência, é assegurar a continuidade do seu tratamento, após a alta hospitalar, e a sua recuperação, em unidades de internamento específicas ou, preferencialmente, em casa, com o apoio de equipas de cuidados domiciliários.

O projecto foi apresentado numa cerimónia que conta com a presença do primeiro-ministro e vai desenrolar-se através da articulação entre os ministérios da Saúde e do Trabalho e Solidariedade Social - que são também co-financiadores -, estando também aberto à participação de outras entidades.

O documento aprovado há um mês pelo Governo determina também apoios para quem cuida de um dependente, pois o internamento em unidades de cuidados continuados de longa duração (para estadias superiores a dois meses) pode ser utilizado para que o principal cuidador descanse, durante um período não superior a 90 dias por ano.

22.04.2006

 

Data de introdução: 2006-04-22



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.