We are the Champions

1 - "Campeões… Campeões… Nós somos campeões…"
É qualquer coisa assim o refrão do hino da selecção nacional de futebol, que ouvimos algumas dúzias de ve-zes por dia, na rádio e na televisão, desde já vários meses, em jeito de verdade antecipada.
A selecção é uma espécie de nação paralela: tem hino e tem bandeira.
Aquele cheio de fervor patriótico; esta, como diz o anúncio, para envolver o corpo dos guerreiros.
Tem ainda outros ícones: há o relógio da selecção, promovido pelo mister; há as camisolas da selecção.
Há também rituais: conferências de imprensa, cujas declarações concluem sempre: "o mister é que sabe"; e peregrinações, feitas por tanta e tão boa gente para ir ver os ungidos aos locais de estágio - uma espécie de retiros, ou de eremitérios - e ser bafejada pelo seu cheiro de santidade.
(A este propósito, de símbolos e de peregrinos, os romeiros mais ilustres têm direito a uma camisola da selecção com o seu nome nas costas e a ser fotografado com ela para os jornais da especialidade e para as revistas do coração, numa espécie de cerimónia iniciática de admissão na irmandade.
Se o Vítor Baía estivesse no Governo, ia para a selecção…)

2 - Este registo e anúncio épico de vitória também acompanhou a selecção de esperanças - os sub-21 - campeão presuntivo até ao início do campeonato da Europa, disputado em Portugal no mês de Maio.
Durou pouco a euforia.
E teve algo de penoso assistir, ao cabo de duas exibições medíocres e tristes, e duas justas derrotas, a o seleccionador ainda se comparar a Einstein - sem uma nota de autocrítica.
Nós somos campeões, lá diz o hino. Mas da bravata, não da coragem, do esforço, da humildade.
Vendo bem, as selecções, essa nação paralela, são uma justa metáfora da nação verdadeira.
Com efeito, também o nosso hino - "nação valente… contra os canhões, marchar, marchar" - , cheio de res-sonâncias heróicas, foi composto na sequência de uma das maiores humilhações da nossa história, o Ulti-matum, em que a Inglaterra, " o mais antigo aliado", como é costume dizer-se, então a grande potência militar mundial, no fim do Séc. XIX, ordenou a Portugal que lhe entregasse os territórios africanos entre Angola e Mo-çambique, que Serpa Pinto, Capelo e Ivens tinham tornado domínio portu-guês - o chamado Mapa Cor-de-Rosa -, ordem a que o rei D. Carlos se rendeu sem luta.
É como no futebol: heróis no hino; encolhidos em campo.

3 - Durante a passada semana, o Presidente da República realizou o primeiro de uma série de Roteiros de Inclusão, que teve como eixo conhecer e mostrar várias experiências de boas práticas, no âmbito da solidariedade, e casos de sucesso da luta contra a exclusão.

A causa de sucesso de tantas expe-riências nas instituições solidárias é a oposta do heroísmo de pacotilha: à bravata, opomos a discrição; aos fogachos, o trabalho continuado e perseverante; à exuberância e esbanjamento de recursos, a multiplicação dos talentos; às transferências, comissões, promoções, spots, anúncios, respondemos com o trabalho voluntário e gratuito; e às depressões, com a esperança.

Trabalho na Avenida da Boavista, no Porto. Há cerca de um mês vejo todos os dias alinhados à porta de um hotel de 5 estrelas meia dúzia de carrinhas, a que se somam por vezes autocarros, pertencentes à organização do Campeonato Europeu de sub-21.
São ainda esperanças, mas já são preparados para gostos caros.
Como é que há-de sobrar dinheiro para pagar ao fisco?
Com o devido respeito, fez bem o Presidente da República em não incluir este hotel de luxo no Porto no seu Roteiro de Inclusão.
É certo que a Selecção foi excluída.
Mas faltam as boas práticas.

*Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2006-06-09



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...