CENTRO JUVENIL DE CAMPANHÃ

Abriu Centro Educativo em Vila do Conde

No dia 7 de Janeiro, presidida pela Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação, Dr.ª Idália Moniz, e com a presença da CNIS, representada por Maria Goreti Moreira, decorreu a cerimónia de inauguração do Pólo de Vila do Conde do Centro Juvenil de Campanhã. Entre outros, também estiveram presentes a vereadora da Acção Social da Câmara Municipal de Vila do Conde, o Director do Centro Distrital, Dr. Luís Cunha, e o Dr. Maia Neto, da CNPCJR.
Na sua intervenção, depois da Vereadora da Acção Social de Vila do Conde falar da importância da família e da necessidade de promover políticas de apoio à família até para acautelar situações de precariedade de crianças, a Senhora Doutora Idália Moniz sublinhou que “quando se está a estruturar a família, a criança não pode ficar à espera, e aqui a instituição é a solução, pois se assim não for acaba quase sempre por ser vítima de violência doméstica”...
Destinado a jovens com problemas sócio/familiares, privados de um ambiente familiar normal, o Centro Juvenil de Campanhã, Porto, agora, também, com um novo Pólo em Vila do Conde, é uma modelar Instituição de Solidariedade que trabalha em conjugação com os tribunais de família.
Os alunos, que, para além de outros apoios, contam com efectivo apoio psicológico e acompanhamento de assistentes sociais, frequentam cursos técnicoprofissionais (nomeadamente de Informática de Gestão, Turismo e Marketing) e alguns frequentam os currículos alternativos (há uma quinta com animais para os alunos cuidarem). Normalmente, os alunos necessitam de ter o 9º ano para permanecerem no Centro, mas em casos especiais só é necessário ter o 7º ano. O Centro também é frequentado por alunos externos e possui uma Creche e um Jardim-de-infância.

 

Data de introdução: 2007-02-07



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...