ALDEIA DE CRIANÇAS SOS - GULPILHARES

Procuram-se mães para os orfãos da solidariedade

As casas espalham-se pela colina. Ao todo são nove… São pequenas, mas muito confortáveis, caiadas de várias cores e todas baptizadas por um benfeitor. Relva, jardins com flores, bicicletas num ou noutro canto. O conjunto parece uma pequena aldeia só que esta tem um muro branco e alto a ladeá-la. Lá dentro habitam 41 crianças. A mais pequena tem nove anos e a mais velha, já é adulta, e tem 27.

A Aldeia SOS de Gulpilhares, em Vila Nova de Gaia, é um dos três pólos da associação com o mesmo nome. O conceito nasceu na Áustria, fruto do sonho de um homem. Hermann Gmeiner, médico e órfão de mãe desde tenra idade, queria dar uma mãe, irmãos, irmãs, uma família e um lar às crianças órfãs e abandonadas da Segunda Guerra Mundial. Em 1949, em Imst, nasceu a primeira destas aldeias familiares. A ideia rapidamente se espalhou por todo o mundo sendo que, actualmente, existem 452 Aldeias de Crianças SOS, que oferecem um lar a 46.700 crianças. Um conjunto de 1.240 instituições SOS (jardins de infância, lares de jovens, centros sociais e médicos) presta auxílio a mais de 600.000 beneficiários em 132 países.

No nosso país, a Associação das Aldeias de Crianças SOS Portugal foi fundada em 1964 com o estatuto legal de Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS). A primeira Aldeia de Portugal foi inaugurada em 1967 em Bicesse, Cascais. Hoje existem três: Bicesse (Cascais), Gulpilhares (V.N.Gaia) e na Guarda, acolhendo no total cerca de 160 crianças. Desde Outubro de 2006 também está em funcionamento uma residência para jovens das Aldeias, em Rio Maior e um centro social em Bicesse, que dá apoio às mães reformadas e a pessoas idosas da comunidade.

As Aldeias de Crianças SOS distinguem-se de outras instituições com o mesmo fim pelo facto de acolherem essencialmente grupos de irmãos. Deste modo, desde que foi fundada em 1980, a Aldeia de Gulpilhares junta na mesma casa rapazes e raparigas que convivem como se fossem irmãos de sangue. A acompanhá-los está uma “mãe social” que zela por eles 365 dias por ano e 24 horas por dia. “No essencial é uma família”, conclui o director da Aldeia, Rui Dantas. Cada criança dispõe do seu quarto, do seu espaço e dos seus objectos. Neste projecto foram suprimidos os refeitórios e os dormitórios para que, segundo o director, “cada criança tenha um tratamento muito personalizado”. Cabe ao Estado assegurar a grande fatia do bolo do financiamento necessário ao dia-a-dia da Aldeia. O resto do montante é disponibilizado por sócios, benfeitores e pela Kinderdorf Internacional, uma organização internacional sem fins lucrativos de ajuda à criança.

O conceito de modelo familiar de cuidados a longo prazo assenta em quatro princípios: a mãe, os irmãos, a casa e a aldeia. Fátima Fraga é mãe social há 27 anos. Da soleira da porta da sua casa, convida-nos a entrar. Lá dentro, na sala, um jovem está estirado no sofá a ver televisão. São muitas as molduras com fotografias espalhadas por toda a divisão. Fátima, não é de cerimónias e convida-nos logo a sentar. Com 57 anos de idade confessa-se “cansada” da função. “Isto é uma missão, não é um trabalho. Todos os dias tentamos fazer pequenos milagres que nem os pais verdadeiros fizeram com os filhos”. Fátima é uma das cinco mães sociais que vivem em Gulpilhares. A aldeia tem nove casas e precisava de nove mães, mas é cada vez mais difícil encontrá-las. “Temos aqui 41 crianças, mas há capacidade para 80. Isto acontece porque não há mães para abrir mais casas”, lamenta o director. “No início era mais fácil o recrutamento, pois havia mais mulheres mais disponíveis. Agora é mais difícil. A sociedade mudou muito. Para virem trabalhar aqui, as mães SOS têm de se desligar da sua família de origem para se poderem dedicar totalmente a estas crianças”, explica.
As mães são quase sempre mulheres solteiras ou divorciadas que decidiram dedicar a sua vida à instituição. Não são aceites mães solteiras com filhos porque, explica Rui Dantas, “é muito difícil gerir a diferença entre filhos legítimos e adoptivos. Há sempre ciúmes e desconfianças”.

Na aldeia existe uma equipa educativa constituída pelo director, assistente social, psicólogo, auxiliares, educadores e voluntários que apoiam as mães SOS na sua missão. As crianças e jovens levam uma vida normal, vão à escola, aos centros de formação profissional, à paróquia, praticam desporto, convivem com as crianças e jovens da sua comunidade. A interacção das crianças e jovens com a comunidade exterior é muito importante “para ajudá-las a crescer e a lidar com a sociedade”, explica Rui Dantas. A recuperação do equilíbrio psicológico das crianças e jovens quando chegam maltratados é uma conquista morosa e na qual os obstáculos e recuos são frequentes.

Fátima Fraga conhece bem esse dilema, afinal já ajudou a criar duas dezenas de “filhos”. “São quase sempre miúdos revoltados com a vida e demora algum tempo até ganharem confiança e aprenderem a respeitarem-nos”, explica a mãe social. Para além da “mãe”, cada criança é apadrinhada por alguém que financia ou apoia os seus estudos, que lhe escreve cartas e envia fotografias, que a convida para passar férias, que lhe destina uma conta poupança. A vida da criança é planeada a longo prazo e vista como “um investimento” por parte da organização, explica o director da Aldeia. Desde que entra (o que pode acontecer apenas com dias de vida) até que sai (já em idade adulta), a criança será educada e formada para que venha a ser “um indivíduo responsável, independente e autónomo na sociedade”.

Em Julho passado, a instituição foi galardoada com o prémio Gulbenkian Beneficência, no valor de 50 mil euros, pela missão e pelo trabalho desenvolvido em Portugal ao longo de 43 anos de existência em prol das crianças mais vulneráveis e desprotegidas, “um prémio que muito nos honrou e que ainda nos dá alento para fazer mais e melhor”, afirma Rui Dantas.

Fátima Fraga vem à rua despedir-se de nós. Diz que tem muito que fazer, pois são quase horas de almoço e é preciso preparar a refeição para os nove filhos adoptivos. Dá de comer aos gatos no jardim e vai para dentro de casa. Nós descemos a rua e voltamos ao portão principal. Dois miúdos, com 10 ou 11 anos, passam de mochila às costas e a conversar. Os portões estão sempre abertos e cada um faz a sua vida. Afinal, aqui, o conceito tradicional de instituição de acolhimento esbate-se por detrás das portas das várias casas e da “mãe” de cada um, que acolhe nos braços os filhos dos outros, tentando proporcionar-lhes uma vida o mais normal possível.

 

Data de introdução: 2007-10-11



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...