NATAL

Papa expressa preocupado com a situação vivida nas zonas onde ressoam as armas

O Papa expressou a sua preocupação com a situação vivida nas zonas onde "ressoam as armas", nomeadamente Darfur, Iraque, Líbano e Afeganistão, e pediu ao Menino Jesus que dê aos governantes sabedoria para encontrarem soluções "justas e estáveis". Durante a bênção "urbi et orbi", proferida do balcão da basílica sobre a Praça de São Pedro, em Roma, repleta de fiéis, Bento XVI destacou a situação vivida no Afeganistão, no Paquistão e no Sri Lanka, nas regiões dos Balcãs "e em tantas outras situações de crise, infelizmente esquecidas com frequência".

"Neste dia de paz, pensemos sobretudo nas zonas onde ressoam as armas: nas martirizadas terras de Darfur, da Somália e do Norte da República Democrática do Congo, nas fronteiras da Eritrea e Etiópia, em todo o Médio Oriente, em particular no Iraque, Líbano e Terra Santa", afirmou o Santo Padre.

Bento XVI pediu ao Menino Jesus que dê aos governantes "sabedoria e força para procurar e encontrar soluções humanas, justas e estáveis". O Papa assegurou que o nascimento de Cristo, hoje assinalado pelos católicos, responde "à sede de valores que hoje se verifica no mundo, à procura de bem-estar e paz que marca a vida de toda a humanidade e às expectativas dos pobres".

Fez também votos de que este Natal seja realmente um dia de alegria, de esperança e de paz para todos. "As tensões étnicas, religiosas e políticas, a instabilidade, as rivalidades, as injustiças e as discriminações que nascem no interior de vários países inviabilizam as relações internacionais", afirmou, lembrando que "em todo o mundo, o número de imigrantes, de refugiados e de desalojados está a aumentar diariamente, devido às catástrofes naturais, que são consequência de preocupantes desastres ecológicos".

Bento XVI já tinha manifestado a sua preocupação com o ambiente durante a missa de meia-noite que celebrou na basílica de São Pedro, quando denunciou "as condições em que se encontra hoje em dia o planeta Terra, devido à utilização abusiva dos recursos naturais e à sua exploração egoísta e sem qualquer precaução".

"Deixemos que a luz deste dia resplandeça sobre todos: que ela entre nos nossos corações, que ilumine as nossas casas, que traga serenidade e esperança às nossas cidades, e que dê paz ao mundo", concluiu o Papa.

A mensagem "urbi et orbi" é transmitida para 60 países por uma centena de canais televisivos, seguindo-se as saudações, que o Papa proferirá em 63 línguas.

25.12.2007

 

Data de introdução: 2007-12-25



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.