SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA HORTA, FAIAL

Cinco séculos na vanguarda do social

Quem chega à ilha do Faial, nos Açores, sente de imediato o cosmopolitismo da cidade da Horta que tem na sua marina um dos locais de referência. Aqui aportam marinheiros de todo o mundo que cruzam o Atlântico em iates ou veleiros. As pinturas que deixam nas paredes e no chão da marina gravam o testemunho da sua estadia e, reza a lenda, que quem não o fizer não chegará ao destino. Terra de passagem desde há muitos séculos, a ilha, designada em algumas cartas náuticas como “Insula de Ventura”, crê-se que tenha sido descoberta na primeira metade do século XV. Cerca de um século depois nasce aquela que é, provavelmente, a instituição mais antiga do Faial: a Santa Casa da Misericórdia da Horta. A data da sua fundação está apontada entre 1520 e 1522, conforme está escrito nos Anais do município. Desde o seu nascimento a instituição também dá apoio às populações das ilhas do Pico, Flores e Corvo, para além do Faial.
Com 120 trabalhadores é, na actualidade, a segunda entidade empregadora da ilha (a primeira é o hospital) e o seu provedor, Eduardo de Sousa, um dos mais antigos a nível nacional.

Por tradição histórica, a terceira idade sempre constituiu o público-alvo da acção da instituição, embora com as diferentes conotações que as infra-estruturas foram adquirindo ao longo dos séculos. Exemplo disso é o antigo Asilo de Mendicidade que, em 1973, viu o seu nome alterado para Lar de São Francisco, visto estar situado junto à Igreja com o mesmo nome e que pertence ao património da IPSS. O próprio Hospital da Horta já esteve a cargo da instituição, até à sua integração na rede nacional hospitalar na década de 70, por decreto governamental.

São sete as valências a que se dedica a instituição: lar de idosos, apoio domiciliário, centro de dia, centro de cuidados geriátricos, centro de actividades ocupacionais, lar residencial para cidadãos com deficiência e uma rede de cinco centros comunitários, onde funcionam os ATL. O Lar de idosos é a valência mais antiga e apoia 50 utentes, todos eles ainda com alguma mobilidade. Zulmira Tavares é educadora social no lar há mais de 10 anos e não tem dúvidas em afirmar que cada vez é maior o número de pessoas que chegam dependentes. “Como existe a valência de apoio domiciliário as pessoas ficam o maior tempo possível em casa e quando chegam cá já vêm muito dependentes e cada vez mais o nosso trabalho se torna invisível”, diz.

Essencialmente, o trabalho consiste na ocupação dos tempos livres através de jogos de estimulação, quer da parte intelectual, quer da parte física, “mas é difícil perceber o alcance do que nós, técnicos, fazemos”, refere.
O apoio domiciliário abrange toda a ilha e chega a 200 idosos, a quem são prestados cuidados de higiene individual, serviços domésticos, serviços de lavandaria e fornecimento de refeições. O sismo de 9 de Julho de 1998, que abalou toda a ilha provocando oito mortos e estragos avultados no parque habitacional, na rede viária, nos sistemas de abastecimento de água, energia eléctrica e telecomunicações, trouxe a necessidade da criação de uma enfermaria de retaguarda que desse apoio aos idosos desalojados. Essa experiência “forçada” transformou-se posteriormente no Centro de Cuidados Geriátricos, a funcionar desde Setembro de 2004 e com capacidade para 53 camas. Uma verdadeira unidade de cuidados continuados em que os funcionários se habituaram a lidar com a morte.

Afonso Pereira está há 15 anos a trabalhar na Santa Casa, mas fica com o coração apertado sempre que lhe pedem para falar do assunto. “Já vi morrer muita gente”, diz, “normalmente não estão lúcidos e eu seguro na mão deles, faço festinhas na cabeça e eles morrem assim, pacificamente e sem medo”, relata o ajudante de lar. Se a memória não lhe falha, já foram mais de meia centena aqueles para quem o seu rosto foi o último antes da morte, mas apesar do número “custa sempre muito habituarmo-nos a isto, tem que se estar bem preparado”. Afonso recorda com a voz trémula a morte de um utente: “um senhor que eu ajudava sempre a dar banho e que fazia questão de no fim me dar uma gorjeta. Eu não aceitava e explicava que era funcionário e que recebia por aquele trabalho, mas mesmo assim ele insistia e dizia que aquele dinheiro era para fosse sempre eu a cuidar dele até ao fim. E assim foi. Essas pessoas marcam-nos e custa-nos muito vê-las partir”, afirma Afonso Pereira. Nas instalações da Misericórdia existe uma capela mortuária, bem como uma capela, onde é celebrada missa diariamente, por vontade dos residentes.

O mesmo sismo levou também à criação do projecto “O Farol”, em parceria com o Governo Regional, que tinha como objectivo apoiar a população sinistrada. Desse projecto nasceu a rede de Centros Comunitários, espalhada por toda a ilha, que oferece uma resposta para a ocupação dos tempos livres a cerca de 200 crianças e jovens. “Com o sismo era preciso criar um local onde os miúdos pudessem estar depois da escola, pois as suas casas tinham sido destruídas e a maioria da população vivia em tendas, o que mais tarde se viria a transformar em ATL”, explica Célia Pereira, secretária-geral da Santa Casa.

Ao direccionar a actividade para os mais jovens começa também a surgir a ideia de fundar uma Escola Profissional, que abre portas em 1998 em instalações provisórias, sendo depois transferida em 2006 para um antigo palacete no centro da cidade, adaptado para o efeito. Mais de 150 alunos frequentam aquele estabelecimento de ensino que é, simultaneamente, a única resposta em termos de formação profissional na ilha e que lecciona cursos em áreas tão diversificadas como a electrónica, o ambiente ou o turismo. “Diversificamos os cursos de acordo com as necessidades da ilha porque se sair mais do que uma turma de alunos por curso é difícil arranjarem colocação no mercado de trabalho”, explica Célia Pereira. A dirigente diz anda que a escolha dos cursos a ministrar é feita após a consulta de uma série de entidades, como o Centro de Emprego, a Câmara Municipal, diversas empresas, para saberem as necessidades reais existentes. Por ano, também mantêm abertos apenas 2 a 3 cursos, uma vez que “não temos candidatos para mais, embora já comecem a vir alguns alunos das ilhas vizinhas (Pico e São Jorge), mas em número muito baixo”.

Outra das apostas da Santa Casa foi a aérea da deficiência. Em 2001 foi criado o Centro de Actividades Ocupacionais (CAO), “uma necessidade muito grande, uma vez que não havia qualquer resposta na ilha para esta população”. Com capacidade para 24 utentes, o CAO visa essencialmente organizar os serviços de apoio social, reabilitação e inserção da pessoa com deficiência, um trabalho, que segundo Lara Rosa, assistente social a trabalhar no CAO, torna-se “muito necessário”. A técnica refere que ainda “há muitos casos de deficiência que são escondidos pelos familiares e que só chegam tardiamente”. Paralelamente ao CAO foi criado um lar residencial destinado a pessoas com deficiência mental, com capacidade para 10 utentes. “Destina-se àquelas pessoas que não têm retaguarda familiar e neste caso específico damos resposta a todo o arquipélago, uma vez que são quase inexistentes as estruturas preparadas para o efeito”, afirma Célia Pereira.

Com o peso de quase 500 anos a edificar uma obra, a Santa Casa da Misericórdia “navega” agora a velocidade de cruzeiro. “Tivemos dois grandes projectos em mãos, que foram a construção do centro geriátrico e a Escola Profissional, agora estamos numa fase de regularização de dívidas e de estabilização financeira”, afirma a secretária-geral da instituição.

Na mesa, à espera de financiamento fica a recuperação da Igreja de São Francisco, datada do século XVII e que também ficou muito danificada com o sismo de 1998. O projecto já foi aprovado pelo Governo Regional que se compromete a financiar 75 por cento do custo total da obra. Os outros 25 por cento ficam a cargo da Santa Casa que promete “lá chegar”.

 

Data de introdução: 2008-03-09



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...