PARES

Candidaturas para novas creches aprovadas em semanas

O Governo espera ter aprovadas nas próximas semanas, possivelmente ate ao final do mês de Maio, as candidaturas à terceira fase do programa PARES, relativas a creches nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto (AML e AMP).

De acordo com o ministro do Trabalho e Solidariedade Social, Vieira da Silva, que foi ouvido a 20 de Maio numa Comissão Parlamentar, até agora foram já assinados os planos de financiamento para 440 equipamentos sociais, dos 589 das duas primeiras fases do programa PARES. Destes, alguns estão já em construção.

O Governo decidiu ainda lançar uma terceira fase do programa, destinada apenas a creches nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto (AML e AMP), onde a taxa de cobertura era ainda inferior à meta do Governo, que ronda os 33%. «O Executivo espera ter, nas próximas semanas, concluída a apreciação das candidaturas», disse o ministro da tutela.

Vieira da Silva deixou ainda alguns dados relativos ao programa, adiantando que 8 a 10 mil postos de trabalho foram criados nos equipamentos sociais e que o investimento público no programa PARES ascende a mais de 200 milhões de euros, cerca de metade do total.
Os acordos de cooperação com as instituições de solidariedade social ascendem a mais de mil milhões de euros.

FONTE: Portugal Diário

 

Data de introdução: 2008-05-21



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.