POPULAÇÃO

Um em cada 4 portugueses será idoso em 2035 e em 2015 haverá mais mortes que nascimentos na UE

Um em cada quatro portugueses terá mais de 65 anos em 2035, segundo um estudo do Eurostat divulgado, que refere que 25,4 por cento dos europeus serão idosos dentro de 27 anos. O instituto de estatística europeu aponta também o ano de 2015 como o momento em que a taxa de mortalidade deverá ultrapassar a da natalidade, estando na imigração a "única solução para este problema" de decréscimo da população.

De acordo com as projecções publicadas sobre os 27 países da União Europeia, em 2035 a população europeia atingirá 521 milhões de pessoas, ou seja, mais 26 milhões que as registadas no início deste ano.

Dentro de 27 anos, 25,4 por cento da população europeia terá mais de 65 anos, contra os 17 por cento actuais. No caso de Portugal, as estatísticas apontam também para o envelhecimento: os 17,4 por cento da população actual com mais de 65 anos passará a 24,9 por cento em 2035 e 30,9 por cento em 2060.

O Eurostat afirma, no entanto, que o envelhecimento deverá ser uma preocupação de todos os países, mas a níveis diferentes. Os casos mais dramáticos vão registar-se na Alemanha, que terá 30,2 por cento da população com mais de 65 anos, na Itália (28,6 por cento) e na Eslovénia (27,4 por cento).

A Irlanda e o Chipre serão os países com as populações mais jovens, com uma percentagem de população idosa de 17,6 e 19 por cento, respectivamente. Outras das novidades divulgadas no relatório diz respeito à previsão de a taxa de mortalidade ultrapassar a taxa de natalidade em 2015, sendo a imigração o "único factor" de crescimento da população europeia.

No entanto, a partir de 2035 a população europeia deverá começar a decair, "por falta de imigrantes suficientes", atingindo os 505 milhões de habitantes em 2060.

No caso de Portugal, também haverá uma curva ascendente seguida por uma descendente: os 10.617 portugueses actuais vão passar a 11.395 em 2035, mas em 2060 serão apenas 11.265.

Um outro estudo apresentado na semana passada em Berlim já alertava para este fenómeno de a imigração ser a única forma da população europeia se manter estável e não diminuir.

Segundo as contas feitas no estudo do Instituto Berlinense para a População e o Desenvolvimento, sem a presença de imigrantes, a população total da UE diminuiria em 52 milhões de pessoas e ficaria reduzida a 447 milhões em 2050.

Depois dos anos 50, a população da UE apenas conseguiu manter o seu importante lugar entre a população mundial através da entrada de novos estados-membros.

Um outro relatório demográfico do Departamento de Referência da População (EUA) divulgado no mesmo dia confirmou a conclusão do documento alemão, revelando que actualmente os países pobres concentram praticamente todo o crescimento da população mundial e que a imigração leva ao ligeiro aumento de habitantes nas regiães mais ricas.

Os dados do Departamento de Referência da População (EUA) indicam que, em 2008, a população mundial ascendeu a 6.700 milhões de habitantes, 1.200 milhões dos quais vivem nas regiões mais desenvolvidas e os restantes nas zonas mais pobres.

Em 2050, prevê-se que esta disparidade aumente, quando 86 por cento dos 9.300 milhões de habitantes mundiais residirem nos países menos desenvolvidos, frente aos 82 por cento actuais.

De acordo com o relatório, os 191 milhões de imigrantes mundiais contribuíram para o crescimento da população nos países desenvolvidos, concentrados na sua maioria na Europa, América do Norte e nas regiões da antiga União Soviética.

26.08.2008

 

Data de introdução: 2008-08-27



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.