APPACDM/BRAGA

Instituição avança com complexo em Esposende

A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Braga, vai avançar com o seu complexo de Esposende, onde pretende constituir um lar e um centro de actividades ocupacionais. A revelação foi feita pelo presidente da Direcção, António Melo, após a Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação, Idália Moniz, ter inaugurado a 11 de Setembro as novas instalações da cozinha e lavandaria no Complexo de Gualtar e o novo Lar Residencial do Complexo de São José de São Lázaro. Segundo António Melo “já se encontra em fase de elaboração o projecto de arquitectura para as futuras instalações do Complexo de Esposende”.

A instituição está instalada no concelho de Esposende há mais de 20 anos, mas as instalações já não servem os propósitos da actividade desenvolvida. “A nossa instituição prevê criar melhores condições para os nossos utentes, num espaço adequado à realidade actual”, explica o presidente.

Idália Moniz considerou que o trabalho que a APPACDM desenvolve “não beneficia apenas os jovens, mas também as suas famílias”. “É importante que o Estado apoie este género de associações, que a Segurança Social agilize processos e que os municípios também não as esqueçam”, disse. A representante do Governo garantiu ainda que assim que o licenciamento do Complexo de Esposende estiver concluído, a Segurança Social está em condições de poder celebrar com a instituição os acordos de cooperação.

Actualmente, fazem parte da instituição seis centros de actividade ocupacionais, dois lares residenciais, uma escola de ensino especial e uma unidade de creche e pré-escolar inclusivas. Cerca de 200 trabalhadores servem diariamente um conjunto de meio milhar de utentes, espalhados por Braga, Vila Verde, Esposende e Vila Nova de Famalicão. Cada complexo possui um conselho coordenador técnico, constituído por técnicos especializados e um conselho geral constituído pelos pais dos utentes.

 

Data de introdução: 2009-10-20



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...