RSI

CNIS e Cáritas defendem outras medidas contra pobreza

Os responsáveis da Cáritas Portuguesa e da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade reafirmaram a necessidade de adoptar outras medidas, além do Rendimento Social de Inserção (RSI), para promover a autonomia das pessoas necessitadas. Eugénio Fonseca e o padre Lino Maia disseram não terem ficado surpreendidos com o aumento de mais de 15 por cento no número de beneficiários do RSI e sublinham a importância deste instrumento para acudir a situações extremas de carência.

De acordo com o site da Segurança Social, o número de pessoas a receber o RSI em Portugal aumentou 15,3 por cento até Setembro, face a igual período do ano passado, para um total de 379.849 beneficiários.

"Não me espanta, era previsível e está dentro dos números que as várias organizações têm vindo a apresentar, sugerindo um aumento de 10 a 20 por cento no número de pessoas que procuram apoio", referiu Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas.

Para este responsável, o RSI "pode ser um bom instrumento para acudir a situações extremas", mas não é "uma panaceia para o problema". Defende, por isso, que se aposte em superar as causas que levam as pessoas a pedir o RSI, nomeadamente na revitalização da economia e na consequente criação de postos de trabalho. "Preocupa-me que se esteja a alterar o perfil dos que pedem protecção social, surgindo agora pedidos de pessoas que têm formação superior", alerta.

Para o padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, o aumento do recurso ao RSI é a "constatação de que há mais casos de necessidade". Considerando que o RSI "pode ser um bom instrumento ao serviço da autonomia das pessoas", o responsável sublinha que "é preciso que não se eternize o subsídio", advogando outras formas de promoção de autonomia das pessoas que se encontram em situação de carência.

"Há que encontrar outras formas de ajudar as pessoas a recuperar formas de vida autónoma", defende.

 

Data de introdução: 2009-10-29



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...