RSI

CNIS e Cáritas defendem outras medidas contra pobreza

Os responsáveis da Cáritas Portuguesa e da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade reafirmaram a necessidade de adoptar outras medidas, além do Rendimento Social de Inserção (RSI), para promover a autonomia das pessoas necessitadas. Eugénio Fonseca e o padre Lino Maia disseram não terem ficado surpreendidos com o aumento de mais de 15 por cento no número de beneficiários do RSI e sublinham a importância deste instrumento para acudir a situações extremas de carência.

De acordo com o site da Segurança Social, o número de pessoas a receber o RSI em Portugal aumentou 15,3 por cento até Setembro, face a igual período do ano passado, para um total de 379.849 beneficiários.

"Não me espanta, era previsível e está dentro dos números que as várias organizações têm vindo a apresentar, sugerindo um aumento de 10 a 20 por cento no número de pessoas que procuram apoio", referiu Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas.

Para este responsável, o RSI "pode ser um bom instrumento para acudir a situações extremas", mas não é "uma panaceia para o problema". Defende, por isso, que se aposte em superar as causas que levam as pessoas a pedir o RSI, nomeadamente na revitalização da economia e na consequente criação de postos de trabalho. "Preocupa-me que se esteja a alterar o perfil dos que pedem protecção social, surgindo agora pedidos de pessoas que têm formação superior", alerta.

Para o padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, o aumento do recurso ao RSI é a "constatação de que há mais casos de necessidade". Considerando que o RSI "pode ser um bom instrumento ao serviço da autonomia das pessoas", o responsável sublinha que "é preciso que não se eternize o subsídio", advogando outras formas de promoção de autonomia das pessoas que se encontram em situação de carência.

"Há que encontrar outras formas de ajudar as pessoas a recuperar formas de vida autónoma", defende.

 

Data de introdução: 2009-10-29



















editorial

Conclusões do Seminário da CNIS

Com momentos repletos de experiências e realidades distintas que deu voz às Instituições, o seminário abriu espaço à reflexão, avançou com a clarificação de conceitos e a identificação de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A resposta das IPSS às alterações climáticas
No princípio do próximo mês de dezembro, no Dubai, realiza-se mais uma Conferência da Convenção-Quadro sobre as Alterações Climáticas, conhecida...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Medir e diminuir o isolamento. Sobre as comunidades cuidadoras.
Durante o mês de outubro, a GNR voltou à estrada para concretizar o “Censos Sénior”, que realiza desde 2011. Este ano sinalizou mais de 44 mil idosos a viver sozinhos ou...