UNIDOSE

Todas as farmácias do país podem aderir ao sistema a partir de Julho

Todas as farmácias do país podem aderir a partir do mês de Julho à venda de medicamentos em unidose, segundo uma portaria publicada em Diário da República, que revoga um diploma em vigor há exactamente um ano, mas sem efeitos práticos.
Um ano após a publicação da portaria que autorizou a venda de medicamentos em unidose nas farmácias de oficina e nas instaladas nos hospitais públicos da região de saúde de Lisboa e Vale do Tejo, os ministérios da Economia e Saúde decidem revogar o diploma e aprovar um novo. O anterior regime, concluem, "não teve, até à presente data, qualquer aplicação prática, pelo que importa proceder à sua revisão".

A nova portaria, publicada a 30 de Junho, prevê o alargamento da venda de medicamentos em unidose (uma quantidade personalizada, decidida para cada doente) a todo o país. Assim, podem dispensar medicamentos através deste sistema todas as farmácias que comuniquem à Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) "a sua adesão àquela dispensa" e as farmácias "instaladas nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde".
Tal como no anterior diploma, cabe ao Infarmed a responsabilidade pela avaliação da medida tendo de elaborar, ao fim de seis meses, um relatório preliminar.

Até à realização do relatório, os medicamentos dispensados em unidose serão essencialmente os utilizados em situações agudas, nomeadamente antibióticos, anti-histamínicos, anti-inflamatórios, não esteróides, paracetamol e antifúngicos.
Segundo a portaria, podem ser dispensados em quantidade individualizada "os medicamentos apresentados em forma oral sólido".
O preço máximo unitário de cada fármaco sujeito a receita médica dispensado em unidose é igual ao preço unitário do mesmo medicamento, obtido através da divisão do preço da embalagem maior de acondicionamento secundário industrializado pelo número de unidades de acondicionamento primário nela contidas.

 

Data de introdução: 2010-07-17



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...