OPINIÃO

Orçamento 2011: mau... mas bom!

Este orçamento constituirá certamente um “marco” no descrédito dos sucessivos actores políticos que nos têm (dês) governado na última década!
Sei que num jornal como este, que é porta-voz da CNIS, a produção de opiniões de natureza política deveria ser, em princípio, politicamente correcta! Porém, e porque, felizmente, há toda a liberdade de opinião para quem aqui escreve…de vez em quando, ouso trazer para esta coluna algumas reflexões desalinhadas de um certo “pensar e agir político-social” que, em relação a políticas sociais, tem deixado muito a desejar!

Seria hipócrita se não confessasse que nunca esperei de um Governo que defende o Estado Social a “ousadia” de retirar às IPSS direitos que elas, pelo seu trabalho, foram conquistando ao longo de muitos anos, designadamente, o aumento dos descontos para a Segurança Social (feito há uns tempos) e agora (através deste Orçamento MAU/BOM) o pagamento do IVA (sem direito a reembolso) !

Já nem falo do Código Contributivo, medida inspiradíssima que irá engrossar a estatística dos desempregados que, através de contratos de prestação de serviços, poderiam ir usufruindo de oportunidades de trabalho!
Feito o desabafo, vamos à mensagem positiva que este Orçamento 2011 nos transmite:
O orçamento será mau, exigente para quem tiver de pagar mais ao Estado…porém, acabará por se revelar bom na medida em que ajudará o país a começar a sair do buraco financeiro em que o meteram! Oxalá se cumpram tão bons augúrios!
Lá para Março do próximo ano…iremos ter os primeiros ecos deste orçamento. Então…voltaremos a conversar!

Entretanto, a DEMOCRACIA ganhou com estes episódios tipo/telenovela que rodearam as conversações entre os dois maiores partidos políticos!
O bom povo, habitualmente, brando e sereno para com os seus governantes, certamente que irá abrir os olhos e começar a pensar na urgência em praticar uma CIDADANIA MAIS ACTIVA, não dando procurações em branco a gente que se tem revelado incapaz de gerir os dinheiros públicos. Agora começamos todos a compreender melhor os elevadíssimos custos das famigeradas “derrapagens” das obras públicas e outras tantas trapalhadas governativas que atiraram um país inteiro para um buraco financeiro que nos vai trazer ajoelhados a credores internacionais durante alguns anos!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2010-11-10



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...