SOLIDARIEDADE

Programa de Emergência Alimentar cria 26 cantinas sociais no Porto

O distrito do Porto beneficia a partir de agora de 26 cantinas sociais que irão distribuir 40 mil refeições por mês, ao abrigo do Programa de Emergência Alimentar do executivo lançado no Porto por Marco António Costa. O programa visa que "26 instituições em todos os concelho do distrito do Porto passem a ter uma capacidade alargada para servirem mais cerca de 40 mil refeições e, por essa via, fazerem um apoio direto à população que careça desse tipo de apoio", assinalou o secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, que presidiu à cerimónia de assinatura dos protocolos para as cantinas sociais no distrito do Porto. Foi lançada a primeira fase do Programa de Emergência Alimentar (um dos ramos do Programa de Emergência Social do executivo) no distrito do Porto, com 26 cantinas, mas prevê-se um aumento até 40 cantinas na segunda fase que irá avançar no mês de maio.

Só para o distrito do Porto passarão, para já, a ser disponibilizados 98 mil euros por mês para estas refeições distribuídas pelas Instituições de Solidariedade Social que por cada uma irão receber 2,5 euros.

As refeições (destinadas a idosos com baixos rendimentos, famílias atingidas pelo desemprego e famílias com filhos a cargo) são à partida gratuitas, mas as instituições podem cobrar até um euro, dependendo dos rendimentos da pessoa em causa. "Estamos a falar de um Programa de Emergência Alimentar que a nível nacional investirá mais de 50 milhões de euros durante o ano de 2012 e que alcançará muitas dezenas de milhar de pessoas e que fornecerá centenas de milhares de refeições", explicou o secretário de Estado.

A nível nacional o programa pretende criar "mais de 900 cantinas" e passar de "um investimento em 2011 de dois milhões de euros para 50 milhões de euros este ano". Marco António Costa explicou ainda que o programa "não tem uma natureza assistencialista" e "respeita a confidencialidade, o anonimato, a individualidade de cada uma das pessoas ou famílias que necessitam de socorrer-se desta resposta social para obter alimentação". "Queremos respeitar a individualidade. Devemos fazer com rigor, com
controlo de todos os movimentos financeiros mas devemos preservar a identidade das pessoas, a confidencialidade", frisou.

O Programa de Emergência Social "está a atuar em várias frentes em simultâneo, tentando chegar aos portugueses através dos parceiros sociais no terreno, com simplicidade e discrição", disse o governante

 

Data de introdução: 2012-04-20



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...