CONSELHO GERAL 2

Progressão na carreira docente requer classificação de Bom

Matéria que levanta grandes dúvidas e diversas interrogações junto dos dirigentes das IPSS é a questão das carreiras remuneratórias.
Henrique Rodrigues, assessor jurídico e um dos principais negociadores da CNIS em matéria laboral, esclareceu algumas questões, começando por dizer que “a aproximação das tabelas A e B é uma prioridade de há oito anos da CNIS”, tempo que leva a actual liderança, sublinhando: “Não estamos a tentar nivelar as remunerações, mas a tentar aproximá-las”.
O jurista, que lembrou que “as categorias da Tabela A não têm aumentos há quatro anos”, afirmou ainda que “a CNIS não acompanha as posições do Governo quanto à desvalorização da contratação colectiva à não-emissão de portarias de extensão, impondo o alargamento das condições constantes dos Contratos Colectivos de Trabalho (CCT) às IPSS não filiadas na CNIS e aos trabalhadores não filiados nos sindicatos subscritores das convenções”.
Henrique Rodrigues revelou que as propostas feitas pela CNIS à Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços (FEPCES), no que respeita às matérias da competência da Comissão Paritária, foram aceites pelos sindicatos.
Relativamente à carreira Docente, “o tempo de serviço contável é apenas o efectivo e classificado com nota Bom”, o que permite às Direcções das IPSS fazerem com que a progressão na carreira dependa da avaliação.
As principais novidades que surgiram de mais uma ronda negocial foram a criação de mais uma categoria na carreira dos trabalhadores de apoio, como os auxiliares de acção directa e os auxiliares de acção educativa, entre outros; e a criação da carreira para os Trabalhadores Auxiliares, com escalões até cinco anos.
Por outro lado, foi ainda criado mais um escalão para a categoria dos licenciados (assistentes sociais e animadores sociais, entre outros), mas com módulos de três anos.
Sobre os horários de trabalho, o jurista explicou que estes só podem ser alterados “com a revisão dos CCT”.
Quanto ao aumento do horário de trabalho para as 40 horas semanais, Henrique Rodrigues informou os conselheiros que esta é “uma matéria a aguardar”, pois as indefinições sobre a sua aplicação na Função Pública assim o aconselham.
“Se for para equiparar as 40 horas da Função Pública, algo que ainda não está definido, é cedo para iniciar negociações, porque a questão no Estado ainda não está definida”, considerou o assessor jurídico da CNIS.

P.V.O. (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2013-06-21



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...