FESTA DA SOLIDARIEDADE

Enorme êxito reconhecido por todos

Ainda a tarde ia a meio e a opinião generalizada era a de um retumbante sucesso da sétima edição da Festa da Solidariedade realizada, no passado dia 29 de Junho, na Guarda.
Os principais responsáveis pela organização do evento, não esconderam a enorme satisfação pelo êxito do evento de 2013, bem expresso na maciça presença de IPSS, em representação de um número recorde de distritos, 12 no total.
O padre Virgílio Ardérius, presidente da UDIPSS da Guarda e principal responsável pela organização do evento no local, estava visivelmente satisfeito, um sentimento transmitido nas suas palavras ao SOLIDARIEDADE, em pleno Parque Municipal: “Parece-me que a opinião é unânime sobre o êxito que foi fazer esta iniciativa na cidade da Guarda. A preparação foi bem pensada e foi executada conforme os planos. Quisemos, este ano, fazer da Festa da Solidariedade um encontro inter-geracional, com muita animação e muito convívio entre os mais velhos e os mais novos, e também uma festa inter-institucional, o que conseguimos com a participação de muitas instituições, como os bombeiros, os escuteiros, a Cáritas, que se associaram com alegria e boa vontade a esta festa. Estes encontros têm razão de ser no aspecto de terem uma abrangência maior, ou seja, não serem apenas as IPSS a reunir e a festejar, mas todos aqueles que estão dedicados à solidariedade”.
Por seu turno, o presidente da CNIS começou por sublinhar o carácter solidário das gentes da Beira Interior: “Esta é uma Festa da Solidariedade com uma participação muitíssimo boa. A Guarda esmerou-se na preparação e no acolhimento. Nesta cidade há uma grande actividade solidária. Há muitas instituições e muito boas, porque são instituições voltadas para as pessoas. Movimentaram-se muito bem, foram muito bem lideradas e, como disse, prepararam e acolheram muito bem esta Festa. E diria que houve uma grande adesão nacional. Só vem realmente a estes eventos quem tem muito amor a esta causa, pois não faltam assédios, convites e oportunidades… E isso mostra que as instituições neste País são aquilo que de melhor há, são a grande almofada social, têm consciência disso e não desistem, são resilientes”.
Também Eleutério Alves, membro da Direcção da CNIS e responsável pela iniciativa, relevava o êxito do evento na Guarda, algo já esperado, na sua opinião.
“Este ano é a sétima edição da Festa da Solidariedade e quando escolhemos a cidade da Guarda já prevíamos que fosse um sucesso”, sustentou, justificando: “Quem esteve aqui na Guarda e assistiu à chegada da Chama, com a grande evolvente humana e a animação durante várias horas da noite, percebeu logo que a Festa ainda seria melhor. E hoje a Festa está a atingir o sucesso que esperávamos, com 12 distritos representados. Podemos dizer que a Guarda é hoje a Capital da Solidariedade”.
Para o padre Virgílio Ardérius esta enorme adesão das IPSS à Festa na Guarda é mais um motivo de grande satisfação.
“É um êxito, porque em relação a outros encontros anteriores, tenho impressão que batemos o recorde em número de presenças e de representatividade dos distritos… O que é outro motivo de alegria”, defendeu, acrescentando: “Por isso, espero que os que vieram de longe, quer de Norte, quer de Sul, tenham ficado contentes com este encontro. Esta tem sido a opinião unânime que tenho ouvido e recolhido desde que a Festa começou”.

SOLIDARIEDADE REFORÇADA

Com o País e as populações em grandes dificuldades e com tão maciça participação das instituições, os promotores da Festa e Chama estão convictos de que a “solidariedade sai reforçada” do encontro na Guarda.
“Dia a dia, cada vez se reforça mais”, sustentou o presidente da CNIS, argumentando: “Penso que é a única área deste País em que os agentes, não sendo as mesmas pessoas, se identificam com os beneficiários. São pessoas em favor de pessoas e quando falamos disto, de facto, nada nem ninguém nos vence, porque o entusiasmo é grande”.
E, na verdade, quem passou pelo Parque Municipal da Guarda, na véspera pela Praça Velha, ou de manhã pelo Estádio Municipal, não ficou com dúvidas de que a solidariedade saiu revitalizada da cidade mais alta de Portugal.
“A Solidariedade sai reforçada, primeiro, no íntimo de cada um e, depois, também no sentido de pertença a este movimento, porque isto é um movimento dinâmico”, destacou o presidente da UDIPSS da Guarda, que acrescentou: “As IPSS não podem estar adormecidas, têm que viver numa dinâmica constante para melhorar, em quantidade, em qualidade, em voluntariado e também a nível das respostas sociais, que têm que melhorar na sua qualidade. Penso que estamos no bom caminho”.

GOVERNO NA MIRA

O presidente da CNIS deixou ainda um amargo, num dia em que as IPSS voltaram a dar um sinal de grande vitalidade. No discurso que proferiu, dirigindo-se às centenas de pessoas presentes no Parque Municipal, o padre Lino Maia terminou com um sintomático “força e em frente”.
“Cada vez mais, não desistir é a palavra de ordem”, defendeu, lançando uma dura crítica ao Governo: “Gosto muito de ser Português e estou absolutamente indignado com esta curvatura nacional… Perdemos a soberania e estamos, cada vez mais, nas mãos de uma Troika estrangeira que não sabe o que é Portugal. O Governo faz vénias a uma Troika e isso não pode ser”.
O líder da CNIS foi mais longe e deixou de forma clara qual a posição das IPSS: “As instituições de solidariedade dizem basta às vénias e dizem que temos que estar atentos às pessoas. Força e em frente e vamos dizer basta… E que o orgulho nacional regresse ao povo português”.
Na cidade mais alta de Portugal também se ergueu a voz crítica do padre Virgílio Ardérius, por entre um incentivo a todos os que são solidários: “Para todos os que vieram, quero deixar uma mensagem para que não deixem esmorecer nos seus corações a Chama da Solidariedade. E para aqueles que não vieram, que estão longe, e a começar pelos nossos governantes, digo para porem os olhos nestes acontecimentos, nesta Festa da Solidariedade feita na Guarda, porque têm muito que aprender”.

PORTO EM 2014

Finda a Festa da Solidariedade 2013, há que pensar e pôr em marcha a organização da edição 2014 e, ao que tudo indica, o Porto é a cidade escolhida. O presidente da CNIS anunciou-o no seu discurso aos presentes na Guarda, mas ainda falta desenvolver os procedimentos normais para que tal ideia se concretize. No entanto, a probabilidade de a cidade Invicta acolher a oitava edição da Festa e Chama da Solidariedade é enorme. Aliás, na opinião do padre Lino Maia, o Porto tem sido uma escolha adiada.
“Ser o Porto a acolher a Festa em 2014 é uma hipótese consistente, já se falava há uns tempos nessa hipótese e, talvez, também já seja chegada a hora do Porto. Esta é a sétima edição, já percorremos o País, desde Braga a Faro… A próxima será no Porto, depois de Braga, mais a Norte, e Faro, mais a Sul, passando por Lisboa, Castelo Branco, Barcelos, Viseu, Santarém e agora a Guarda. O Porto tem sido um pouco posto de parte por causa da sede da CNIS ser lá, mas também não pode ser marginalizado”, defendeu o padre Lino Maia.
Sendo nos últimos anos a pessoa responsável no seio da Direcção da CNIS pela organização da Festa da Solidariedade, Eleutério Alves confirmou, de alguma forma, o que fora anunciado em palco.
“O nosso presidente deixou aqui a mensagem de que a oitava edição será quase garantidamente no Porto. A cidade do Porto nunca recebeu a Festa da Solidariedade, assistiu apenas à passagem da Chama, quando esta ia de Lisboa para Barcelos, pelo que em 2014 chegou a altura de receber a Festa”, argumentou o tesoureiro da CNIS, reforçando a razão de ser do evento, especialmente quando o País e as populações passam muitas dificuldades.
“Um evento deste género faz sempre sentido. Um evento que pretende promover as boas práticas das instituições faz sempre sentido. As instituições, como disse o nosso presidente, trabalham bem, fazem o bem e fazem-no bem feito, se não fossem estas instituições a qualidade de vida de muitos cidadãos não era aquela que têm hoje. Actualmente, respondemos às solicitações de angústia social que se apresentam nos distritos, pelo que é importante um dia como este, até para que as populações e as comunidades reconheçam o que de bom se faz nas IPSS. Penso que a mensagem que sai daqui da Guarda, que é a cidade mais alta de Portugal, vai descer pelas encostas da Serra da Estrela e vai chegar a todo o Portugal e esta é uma mensagem de fé, de esperança e de confiança e devemos acreditar que vai inundar todas as IPSS e todas as pessoas. Quero acreditar que o resto de 2013 e o 2014 vão ser anos, de muito trabalho também, mas de sucesso para o que se faz nas nossas IPSS”.
No mesmo sentido, Eleutério Alves insiste no carácter fundamental da Chama da Solidariedade.
“Claro que continua a fazer sentido levar essa luz e esse calor por Portugal fora, porque não podemos fazer uma festa destas em todas as localidades, mas podemos fazer passar a mensagem, e a Chama é isso mesmo. A Chama é um caminhar da mensagem da solidariedade que vai passando de mão em mão, de braço em braço, de terra em terra, que desta vez uniu o ponto mais a Sul, que foi Lagos, ao ponto mais alto que é a Guarda. Uma Chama que foi muito acarinhada em Setúbal, Lisboa, Leiria e Coimbra, distritos por onde viajou até chegar aqui à Guarda. Foram milhares de pessoas que estiveram envolvidas no percurso da Chama, pelo que faz todo o sentido continuar a fazê-la viajar pelo território”.
A terminar, o elemento da Direcção da CNIS levantou um pouco o véu do que poderá ser o percurso da Chama em 2014, com o Nordeste Transmontano e o Barroso a ganharem destaque.
“No próximo ano, a Chama irá da Guarda até ao Porto, provavelmente pelas terras do Nordeste Transmontano e pelas terras de Montalegre. Vai subir ao ponto mais recôndito do Interior de Portugal até ao Porto, uma cidade solidária”.

P.V.O.

 

Data de introdução: 2013-07-15



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...