CHAPITÔ, LISBOA

«Denominadores Comuns» cruza gerações desvinculadas

O Chapitô volta a sair das «muralhas» do Castelo, freguesia em que a IPSS está sedeada em Lisboa, para desenvolver o projecto «Denominadores Comuns», que visa promover as relações intergeracionais no seio da comunidade lisboeta de Campolide.
São quatro os eixos estratégicos deste projecto, como explicou Orlando Garcia, do Chapitô, durante a sessão de apresentação de «Denominadores Comuns», uma cerimónia que decorreu no jardim do Aqueduto das Águas Livres, ex-libris da freguesia de Campolide.
Linguagem, Tempo, Semelhante e Identidade são os caminhos a percorrer por jovens e seniores, constituindo os eixos estratégicos que enquadram conceptualmente as actividades a desenvolver.
“O Aqueduto das Águas Livres é um monumento e uma ponte e o que queremos com este projecto é estabelecer pontes entre gerações”, começou por referir Orlando Garcia, acrescentando: “São dois anos a montar uma trama com vários enredos que ressalva os relacionamentos inter-pessoal e inter-social”.
As acções do projecto foram desenhadas na óptica transgeracional, de cidadania activada e solidária e da prevalência de um sentido comunitário abrangente e inclusivo, defendem os promotores, que identificam na matriz metodológica do projecto o confronto positivo «entre pares», o diálogo inter-cultural, a sensibilização para temáticas de igualdade de género e de oportunidades e a criação de um contexto de crescente sustentabilidade social.
A população-alvo do «Denominadores Comuns» é “tendencialmente desvinculada e excluída do seu território físico e humano”, referiu o coordenador do projecto no Chapitô, recordando que a freguesia de Campolide tem uma população estimada em cerca de 16 mil habitantes, dos quais 3.500 serão juniores e outros tantos seniores, “mil dos quais vivem isolados”.
Para Orlando Garcia, se o projecto alcançar cerca de 500 juniores e outros 500 seniores “já será muito bom e uma excelente base de trabalho”, sendo que a abordagem iniciar-se-á através das instituições sociais da freguesia, prosseguindo depois para o que denominou de “tribos”, ou seja, aqueles jovens e mais velhos que não estão integrados em nenhuma estrutura, mas para quem o projecto também é vocacionado.
É sob o signo das artes para a inclusão social que o Chapitô se propõe integrar e dinamizar as redes (sociais e culturais) de Campolide, intervindo em processos socializantes, com o intuito de abrir horizontes de formação e de futuro e também de expressão e participação cívica.
“Já começámos”, afirmou Orlando Garcia, referindo-se às entrevistas aos “sábios da freguesia”, isto é, aquelas pessoas mais velhas que na vida activa desempenharam funções relevantes e de grande conhecimento, como escultores, jornalistas, professores e outros, e que se desenrola no âmbito do eixo Linguagem, mais concretamente na acção «Vidas Comuns». Este eixo integra ainda a iniciativa «Casa das Falas», que consiste na realização de “tertúlias entre gerações”.
Nos demais eixos estratégicos, o projecto consiste: Tempo – Banco de tempo e workshops artísticos, na área das artes circenses e dos ofícios; Semelhante – formação de voluntários e «Roda dos Saberes»; e Identidade – realização da Universidade Internacional de Verão 2015, “de seniores para juniores e de juniores para seniores”, e ainda a encomenda a estudantes da Faculdade de Economia, da Universidade Nova de Lisboa, de estudos sobre «Economia Júnior» e «Economia Sénior».
Especialmente a partir dos workshops artísticos resultarão espectáculos e animações sociais a apresentar nas IPSS da freguesia, estando ainda prevista uma apresentação final em Campolide, como corolário do trabalho a desenvolver ao longo dos dois anos do projecto.
A terminar a apresentação, Orlando Garcia exortou: “De mansinho estamos a começar, mas isto vai a querer!”.
Depois das boas-vindas dadas por André Couto, presidente da Junta de Freguesia de Campolide, Ana Paula Brito, do departamento de Acção Social da Junta, sublinhou que o projecto «Denominadores Comuns» é uma “grande aposta no esboroar das diferenças entre novos e velhos”, pelo que a parceria com o Chapitô e a implementação do projecto serão muito proveitosas para a freguesia.
Depois de ofertar um ramo de flores ao presidente da Junta de Freguesia, Teresa Ricou, a mulher-palhaço e presidente do Chapitô, ressalvou “a importância das parcerias”, desafiando os presentes: “Vamos transformar e criar condições para promover um Mundo melhor”.
O «Denominadores Comuns» é um projecto realizado em parceria entre o Chapitô e a Junta de Freguesia de Campolide, que integra o Programa Cidadania Activa, gerido em Portugal pela Fundação Calouste Gulbenkian, que é financiado pelo EEA Grants – Mecanismo Financeiro do Espaço Europeu [ver caixa].

PROGRAMA CIDADANIA ACTIVA

O Programa Cidadania Activa é um instrumento de apoio às Organizações Não Governamentais (ONG), ou seja, pessoas colectivas de direito privado, de base voluntária e sem fins lucrativos, que está em vigor até 2016 e é financiado pelo Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA Grants).
O montante total do Programa eleva-se a 8,7 milhões de euros, tendo sido substancialmente reforçado em Março de 2014 pelo Estados Financiadores do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (EEE): Noruega, Islândia e Liechtenstein. Inicialmente a verba disponível era de 5,7 milhões de euros, mas entretanto recebeu um reforço de três milhões de euros. O período de execução do Programa prolonga-se até Abril de 2016.
O acesso ao «Cidadania Activa» é feito através de concursos com regras de acesso e critérios de análise rigorosos, sendo a selecção de projectos efectuada com base no mérito relativo das candidaturas e tendo em conta as dotações pré-definidas para cada concurso. O elevado nível de exigência no acesso ao financiamento decorre das regras impostas à gestão dos programas do EEE nos 15 países europeus beneficiários.
Os projectos a candidatar ao Programa Cidadania Activa, que visa, sobretudo, o fortalecimento da sociadade civil, devem versar as seguintes áreas: A - Participação das ONG na concepção e aplicação de políticas públicas, a nível nacional, regional e local; B - Promoção dos valores democráticos, incluindo a defesa dos Direitos Humanos, dos direitos das minorias e da luta contra as discriminações; C - Reforço da eficácia da ação das ONG; D - Apoio à empregabilidade e inclusão dos jovens (categoria que surgiu já em 2014).
Como referiu na apresentação do projecto «Denominadores Comuns», que o Programa Cidadania Activa patrocina, Miguel Faria, que na Fundação Calouste Gulbenkian tem o pelouro deste programa, desafiou as instituições a apresentarem candidaturas, que estão abertas até ao próximo dia 12 de Maio, lembrando: “Não devemos deixar fugir estes apoios”.
Para mais informações consultar os links: http://www.gulbenkian.pt/Institucional/pt/Atividades/ProgramasGulbenkian/ProgramaCidadaniaAtiva-EEAGrants e http://www.eeagrants.gov.pt/.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2014-04-22



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...