SEGUNDO A ONU

Fome mata uma criança em cada 5 segundos

O relatório anual da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), divulgado esta  quarta-feira, afirma que uma criança morre de fome em cada cinco segundos. O documento revela ainda que cinco milhões de crianças morrem no mundo todo em cada ano. 

Por ano mais de vinte milhões de crianças nascem abaixo do peso e correm mais perigo de morrer durante a infância. As que sobrevivem  têm frequentemente incapacidades físicas e mentais durante toda a vida. A FAO  relata ainda que o número de subnutridos no planeta voltou a aumentar depois de ter caído na década de 90.

Estima-se que cerca de 815 milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento e 28 milhões nos países que integravam o bloco comunista não dispõem de alimentos suficientes para ter uma vida produtiva. Nos países industrializados, há nove milhões de pessoas sem ter que comer.

Devido à gravidade dos dados, a FAO alerta que o mundo não está conseguindo aproximar-se da meta de diminuir para metade o número de pessoas famintas no planeta até 2015, mas ainda poderá fazê-lo se os esforços forem redobrados.

O documento chama a atenção para o custo indirecto da fome na produtividade e sua incidência na perda de receita. Segundo a FAO, se não fosse necessário pagar os custos directos dos danos produzidos pela fome haveria mais recursos para lutar contra outros problemas sociais. "É uma ironia que os recursos necessários para enfrentar o problema da fome sejam poucos em comparação com os benefícios de os investir nesta causa. Cada dólar investido na luta contra a fome pode se multiplicar por cinco e até por mais de vinte vezes em benefícios", diz o texto.

A FAO continua a defender que a meta de redução da fome, quase tão distante hoje quanto no dia em que foi fixada, é "tanto atingível quanto custeável", e os esforços necessários para tal seriam relativamente pequenos. Para isso cita o caso de mais de 30 países que tiveram avanços no combate à fome.

Chile, Costa Rica, Cuba, Equador, Uruguai e China são algumas das nações que diminuíram a fome em pelo menos um quarto. Na África subsaariana, uma região crítica, o número de pessoas com fome continua a aumentar, mas de forma mais lenta que nos últimos anos. Com o crescimento da população, a proporção de subnutridos caiu de 36% para 33%.

 

Data de introdução: 2004-12-13



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...