APOIO À VÍTIMA

APAV pode encerrar já em Março

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) encerra no final de Março se não surgir uma "solução de emergência", pois não conseguiu renovar os apoios do Estado e está sem fundos para continuar a funcionar, revelou o secretário-geral.

Em declarações à Agência Lusa, João Lázaro, secretário-geral da APAV, disse que a associação está sem condições para sobreviver para além do mês de Março, uma vez que não conseguiu a renovação do protocolo que estabelece o apoio do Estado, o que deveria ter acontecido em Dezembro de 2002.

Em resposta às queixas da APAV, fonte do Ministério da Justiça confirmou à Lusa que naquela altura "não se terá chegado a acordo" para a renovação do protocolo, mas afirmou que recentemente o Ministério propôs uma solução financeira a curto prazo, que a associação recusou argumentando que só aceitava propostas a um ano, no mínimo.

A mesma fonte não soube porém esclarecer qual o motivo que terá levado o Estado a não renovar o protocolo com a APAV em 2002. No entanto, assegurou que recentemente, e por já estar em gestão, o Governo propôs à APAV a "atribuição de uma verba que lhe permitiria manter as portas abertas até ao Verão, deixando assim para o próximo Executivo a solução definitiva".

A mesma fonte acusou ainda a APAV de ter recusado também um edifício cedido pelo Ministério da Justiça, no qual funcionava um gabinete entretanto extinto, para funcionar como sede da associação.

O orçamento anual da APAV ronda os 130 mil contos (650.000 euros), terá que "começar a fazer o emagrecimento", com o encerramento de gabinetes e o cessar de actividades, até fechar completamente as portas.

Aliás, João Lázaro afirmou que já no ano passado a APAV teve que fechar um gabinete e reduzir o horário de funcionamento de outros, tendo neste momento a funcionar em todo o país 13 gabinetes, nos quais trabalham 200 voluntários.

Segundo o relatório anual da APAV, em 15 anos de funcionamento esta instituição ajudou perto de 50 mil vítimas de crimes.

 

Data de introdução: 2005-03-01



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...