ÁGUA GRATUITA

Tribunal dá razão à Associação de Solidariedade Estarrejense

Uma sentença judicial deu razão à Associação de Solidariedade Estarrejense que se viu confrontada com a cobrança da água fornecida a casas de famílias de baixos recursos.

A empresa Águas da Região de Aveiro (ADRA) reclamou judicialmente o pagamento do montante de 600 euros, relativo ao fornecimento de água a três casas daquela associação arrendadas a famílias de baixos recursos económicos.

De acordo com fonte associativa, a Secção de Competência Genérica de Estarreja da Comarca de Aveiro (ex-Tribunal Judicial de Estarreja) deu razão à Associação, que alegava ser o fornecimento da água gratuito pelo Município, que passou a distribuição para aquela empresa.

A ADRA faz parte do grupo Águas de Portugal, que teve um lucro de 102,4 milhões de euros em 2014.

Segundo a advogada da Associação, Marisa Macedo, quando a ADRA recebeu o sistema de água e saneamento do concelho de Estarreja, "sucedeu na posição contratual de prestadora de serviço ao Município de Estarreja. Assim, se a Câmara, no âmbito dos seus apoios sociais, na altura, fornecia água de forma gratuita àquelas habitações, a ADRA não podia vir cobrar tal dinheiro, porque, contratualmente, ocupa a mesma posição da Câmara, o que, agora, foi aceite pelo tribunal"

No processo foi testemunha o ex-presidente da Câmara de Estarreja, Vladimiro Silva, que confirmou que a Câmara a que presidiu, por unanimidade do executivo, tinha decidido fornecer água àquelas casas de famílias carenciadas, sem qualquer custo.

A Associação de Solidariedade Estarrejense "congratula-se com a decisão do tribunal, reafirmando que a mesma constitui um incentivo acrescido e uma forte motivação, para que continue com o seu trabalho social em prol das famílias carenciadas do município".

 

Data de introdução: 2015-06-07



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...