INFÂNCIA

Parem de bater nas crianças

O director da Organização Mundial contra a Tortura (OMCT) sugeriu ao governo português a realização de uma campanha de sensibilização sobre o carácter ilegítimo dos castigos corporais infligidos às crianças. A sugestão de Eric Sottas é feita num comunicado da Iniciativa Global para Acabar com todos os Castigos Corporais em Crianças sobre a resposta do Comité Europeu de Direitos Sociais a uma queixa colectiva da OMCT contra cinco países (Portugal, Itália, Grécia, Irlanda e Bélgica).

A queixa, apresentada de 2003, alegava que a legislação dos cinco países não garantia a protecção das crianças contra castigos corporais e outras punições ou tratamentos humilhantes, em violação do artigo 17 da Carta Social Europeia. Na sua resposta, o Comité dos Direitos Sociais do Conselho da Europa afirma que a legislação em Portugal protege as crianças contra os castigos corporais, mesmo dentro da família. A posição baseou-se num acórdão de 1994 do Supremo Tribunal de justiça que condenou um pai por ter castigado corporalmente uma criança.

Eric Sottas congratula-se com a resposta do comité, mas manifesta preocupação com o facto de "uma muito alta percentagem" da população portuguesa considerar aceitável bater em crianças, segundo uma investigação feita pela OMCT. A mesma investigação sugere que mais de metade da população portuguesa (e italiana) considera legítimo bater nas crianças, apesar de serem protegidas desses castigos por lei, referiu.

Devido a isso, a OMCT espera que o governo português "assegure, através de campanhas de sensibilização pública, que os pais e as crianças sejam informados de que é ilegítimo bater em crianças", afirmou. A sugestão merece a concordância da directora executiva do Comité Português da UNICEF, Madalena Marçal Grilo, que disse à agência Lusa ser necessário promover "a adopção de métodos educativos que não sejam os castigos corporais".

A Suécia tornou-se em 1979 o primeiro país a proibir explicitamente os castigos corporais e outros tratamentos humilhantes das crianças. Depois disso, outros 13 países europeus que introduziram na sua legislação a abolição explícita desses métodos: Finlândia (1983), Noruega (1987), gustria (1989), Chipre (1994), Dinamarca (1997), Letónia (1998), Croácia (1999), Bulgária (2000), Alemanha (2000), Islândia (2003), Hungria (2004), Roménia (2004) e Ucrânia (2004).

Em Portugal (1994) e Itália (1996), os respectivos tribunais emitiram acórdãos contra a aplicação de castigos corporais às crianças, incluindo no seio da família, o que o Comité Europeu dos Direitos Sociais considerou conforme com a Carta Social Europeia.

A Iniciativa Global para Acabar com todos os Castigos Corporais em Crianças (www.endcorporalpunishment.org) foi criada em 2001 para apoiar campanhas nacionais, regionais e internacionais para proibir e eliminar todos os castigos corporais em crianças.

A OMCT (www.omct.org) é a maior coligação mundial de organizações não governamentais que combatem a detenção arbitrária, a tortura, as execuções sumárias e extra-judiciais, os desaparecimentos forçados e outras formas de violência.

 

Data de introdução: 2005-06-21



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...