PRESIDENTE DA CNIS APóS REUNIãO COM O MINISTRO VIEIRA DA SILVA

Não vai haver reversão na Cooperação

O caminho da cooperação entre Estado e Setor Social Solidário vai continuar a ser percorrido apesar da mudança governativa. Esta é a convicção do presidente da CNIS após reunir com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, naquele que foi o primeiro encontro institucional entre os dois desde o retorno de Vieira da Silva ao ministério da Praça de Londres.
Foram duas horas de troca de impressões, em que o ministro quis, essencialmente, ouvir a CNIS.
“Foi um encontro, diria quase informal, muito bom, em que fizemos o ponto da situação e falámos das preocupações que temos. O senhor ministro também falou das preocupações que tem, mas ele conhece muito bem todo este Setor e é uma pessoa muito sensível que tem ideias muito interessantes para a Cooperação”, referiu, no final do encontro no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), o padre Lino Maia, mostrando-se convicto de que não haverá sobressaltos na Cooperação: “O senhor ministro está sensível aos problemas do Setor e, claramente, não vai haver reversão na Cooperação. Este ministro aposta, claramente, na Cooperação e aposta no Setor Social Solidário, que conhece bem e para o qual tem ideias próprias, que já apareceram no programa do Partido Socialista e que estão no programa do Governo. Diria que ele vai marcar o seu cunho, pelo que estou convencidíssimo que não vai haver reversão na cooperação e que este é um caminho que vai continuar a ser percorrido sem sobressaltos e no bom sentido”.
O padre Lino Maia revelou que foram abordadas diversos assuntos, com especial enfoque no aumento do salário mínimo já em Janeiro e que acarreta algumas dificuldades para as IPSS.
“Foi um encontro longo em que passámos tudo em relance. Abordámos diversas questões, mas uma que é importante tem que ver com o aumento do salário mínimo. É algo necessário e justo, mas provoca alguns constrangimentos e é necessário na Cooperação dar um sinal para que, de facto, as instituições possam enfrentar um aumento salarial que, repito, é necessário”, sustentou o presidente das CNIS, que se fez acompanhar na reunião pelo padre José Baptista, membro da Direção.
Para além disto, os LIJ e as RLIS, a Cooperação propriamente dita, o “fundo de reestruturação social, porque há instituições que necessitam de uma certa revisão e de um certo aprofundamento”, entre outras, foram questões abordadas no encontro que contou ainda com as presenças das secretárias de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, e da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes.
“Foi um primeiro momento em que colocámos as nossas questões, algumas dificuldades com que nos confrontamos e algumas alegrias com que vivemos”, resumiu o padre Lino Maia.

P.V.O.

 

Data de introdução: 2015-12-22



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...