ASSOCIAÇÃO DO MONTE PEDRAL, PORTO

Galardão «Ajudar Faz Bem» atribuído a Almeida e Sousa

Francisco de Nápoles Ferraz de Almeida e Sousa é o homenageado do galardão «Ajudar Faz Bem» 2017, distinção atribuída pela Associação do Monte Pedral, Porto.
Nascido a 28 de julho de 1921, o engenheiro Almeida e Sousa será alvo da homenagem da Associação do Monte Pedral, no Porto, no dia em que celebrará 96 anos.
Homem que muitos ajudou e fez bem no associativismo empresarial e no coletivismo social, o homenageado foi ainda vereador, deputado, empresário e gestor em várias empresas, com destaque para a EDP e para a Associação Empresarial de Portugal.
Para além disto, Almeida e Sousa foi sempre um cidadão dedicado à cultura, ao empreendedorismo e à solidariedade, tendo sido igualmente dirigente de várias associações e instituições, com especial destaque para a UDIPSS Porto e para o Lar Nossa Senhora do Livramento.
Assim, no dia 28 de julho, no decorrer de um jantar-convívio a realizar no Palácio do Freixo, no Porto, será atribuído o primeiro galardão «Ajudar Faz Bem» com uma peça artística exclusiva da autoria do Arquiteto António Machado.
Numa sociedade cada vez mais desumanizada e com menos tempo para o outro, é muito importante parar para pensar e elogiar o bem que se vai fazendo, porque ajudar faz bem!
Foi com base neste pensamento que a Associação do Monte Pedral instituiu, no seu 140º aniversário, a criação e atribuição do galardão «Ajudar faz Bem», que irá anualmente distinguir uma personalidade ou pessoa da cidade do Porto que se tenha empenhado e destacado no apoio à família. Este galardão é como que o corolário da missão desta instituição, homenageando e perpetuando quem ajudou e fez bem ao longo da vida.
O júri 2017 foi constituído por Francisco Carvalho Guerra, Rui Carvalho Pedroto, padre Lino Maia, Maria de Fátima Graça e Paulo d’Almeida Santos.

 

Data de introdução: 2017-07-27



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...