LINO MAIA, PRESIDENTE DA CNIS

Há empolamento de situações para descredibilizar o setor social

O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) considerou que está a haver "um empolamento" de situações no setor social para descredibilizar uma área que é "extremamente importante" e à qual o país "deve muito".

"No caso concreto da Fundação O Século, não sei o que se passa, mas está a haver um empolamento e exploração de situações, o que me parece tendencioso no sentido de descredibilizar um setor que é extremamente importante e a que Portugal deve muito", disse à agência Lusa o padre Lino Maia.

Lino Maia disse temer que "este empolamento leve ao afastamento da comunidade" das instituições, "a uma diminuição do voluntariado e a uma menor solidariedade na sociedade", uma situação que considera grave.

Estas situações "mancham o setor e desmobilizam uma comunidade que é de facto solidária", sustentou.

Defendeu, contudo, que os casos que merecem denúncia "devem ser tratados sem contemplações".

"Mas são casos muito, muito esporádicos", sublinhou o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade.

"O geral é ótimo e é da bondade deste setor que devemos falar", disse Lino Maia, vincando que o setor social é "a expressão do povo português, um povo solidário, que se envolve" para resolver problemas.

Questionado pela Lusa sobre se chegam à CNIS denúncias de irregularidades em instituições, Lino Maia disse que "muito raramente", explicando que a função da confederação não é de fiscalizar as instituições particulares de solidariedade social.

Segundo o presidente da CNIS, existem cerca de 5.000 instituições de solidariedade no país, das quais 2.950 estão filiadas nas CNIS, que são responsáveis por cerca de 200 mil trabalhadores e beneficiam diretamente 600 mil utentes.

"Temos instituições desde a aldeia mais recôndita de Bragança até à mais ocidental da ilha das Flores, nos Açores", disse, defendendo que é preciso "favorecer este interesse de cada um por todos e todos por cada um".

"Só assim é que o país poderá progredir" e proporcionar igualdade de oportunidades para todos com o envolvimento da comunidade, rematou.

A Polícia Judiciária esteve na quinta-feira nas instalações da Fundação O Século a realizar buscas, por suspeitas de crimes económico-financeiros cometidos por alguns elementos, disse à Lusa fonte policial.

Mais tarde o Ministério Público esclareceu que na origem das buscas estiveram suspeitas da prática dos crimes de peculato e de abuso de poder, de 2012 até hoje.

 

Data de introdução: 2018-01-05



















editorial

Novos passos na Cooperação

Com a assunção por parte do Estado das comparticipações familiares das crianças do 1º e 2º escalão, já cerca de 50.000 crianças tinham Creche gratuita. Entretanto, a Lei nº 2/2022, de 3 de janeiro, determina...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

Trabalho digno
O governo apresentou no Parlamento um diploma que define um conjunto de novas regras para regular o mercado de trabalho e intitulou esse conjunto como a Agenda para o Trabalho Digno.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (IV)
Continuando na senda das reflexões anteriores, conheçamos, agora, o que pensa o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a importância da política...