DEZEMBRO 2019

Risco de pobreza

1. Realizado em 2019 sobre os rendimentos do ano anterior, o "Inquérito às Condições de Vida e Rendimento" indica que 17,2% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2018. Menos 0,1 ponto percentual que no ano anterior.
Segundo o mesmo Inquérito, embora diminuindo (pouco) o risco de pobreza em Portugal, contudo sobe (bastante) entre quem trabalha: a taxa de risco de pobreza para quem trabalha passou dos 9,7% para 10,8% em 2018 e nos desempregados passou de 45,7% para 47,5%, descendo, porém,  nos reformados de 15,7 para 15,2.
Apesar de alguma redução do risco de pobreza infantil, em 2018 a presença das crianças num agregado familiar continuava a estar associada a um risco de pobreza acrescido, sobretudo no caso dos agregados constituídos por um adulto com pelo menos uma criança dependente (33,9%) e naqueles constituídos por dois adultos com três ou mais crianças dependentes (30,2%).
De acordo com o indicador que conjuga as condições de risco de pobreza, de privação material severa e de intensidade laboral per capita muito reduzida, 2 215 milhares de pessoas encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social em 2019. A taxa de pobreza ou exclusão social é de 21,6%, idêntica à registada no ano anterior.
Com um Estado Social em funcionamento e uma sociedade em ação, todavia, há um elevado número de pessoas que não são completamente autónomas para satisfazer as suas necessidades diárias e  que depende de múltiplas ajudas para viver.
Uma conclusão parece óbvia: se os apoios sociais atenuam os sofrimentos da pobreza, porém, sobretudo a pobreza hereditária,  parece persistir e estar aí para perdurar através das gerações…

2. "A pobreza é injusta e manifestação de outras injustiças".
Encarando a pobreza “como um fenómeno de complexas causas e de abordagem transversal", o Presidente da República tem vindo a assumir o apoio aos sem-abrigo (uma expressão da pobreza, não a única) e o combate à pobreza como um desígnio nacional, que supõe não só uma "estratégia" como a conjugação de "meios públicos e privados". E, inspirando cidadãos para a causa de um Portugal mais justo e coeso, reconhece que este combate para ser eficaz, também tem de ser "feito caso a caso, pessoa a pessoa".
Por sua vez, numa leitura programática dos números da chaga da pobreza e do respetivo combate que se impõe, o Primeiro Ministro tem vindo a apontar como “prioridades” da Legislatura a erradicação da pobreza no trabalho, a erradicação da pobreza entre os idosos e – “a mais importante” – a erradicação da pobreza nas crianças, “de forma a prevenir a reprodução de uma nova geração de pobreza através das crianças e dos jovens”.
Louve-se.
Toda a espécie da apoios é importante, como importantes são os apoios aos idosos, aos sem-abrigo, à política de natalidade e de rendimentos do trabalho. Provavelmente, porém, insuficientes para a eficaz e definitiva erradicação da pobreza.

3. Numa declaração recente, o Papa Francisco disse que não se pode ajudar à distância quem é pobre e que é necessária a aproximação, o “tocar as chagas" de forma a reconhecer a vulnerabilidade também de quem se ajuda.
Talvez isso deva merecer alguma atenção porque por aí poderá estar um bom caminho a percorrer.
Há uma pobreza herdada, persistente e transmissível. É a pobreza dos que nela nasceram, com ela convivem durante toda a sua vida, a doam aos seus vindouros e no seu seio certamente morrerão.
Os números da pobreza podem descer umas décimas aqui ou ali. Porém, ela mantém-se  por aí serenamente. Múltiplos apoios fazem minorar as suas dores; mas são insuficientes porque não atingem definitivamente as suas causas. Também as Instituições de Solidariedade, quase todas surgidas para curar alguns desses sofrimentos, são impotentes na sua eficaz e definitiva eliminação.
É nessa chaga de dor que é preciso concentrar os olhares.
É uma pobreza que carece de apoios sociais mas que também não dispensa uma aposta séria na educação.
A via da complementaridade social com educação é a arma de uma geração.
Quando um Partido insiste em dotar o País de creches para todos pode estar a apontar um bom caminho a percorrer. Se idealizar creches para todos num processo educativo proposto à nascença.
Exatamente para todos, sobretudo para aqueles que nascem no seio de uma pobreza congénita, porque provavelmente é por aí que encontrarão a via para dela se emanciparem.
E chamando a sociedade ao seu envolvimento. Contando necessariamente com as Instituições de Solidariedade. Acenando o apoio das autarquias. Exigindo o compromisso do Estado.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2019-12-05



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...