SEMINÁRIO PROMOVIDO PELA CNIS, EM FÁTIMA

A Família face à exclusão

No próximo dia 29 de Maio terá lugar, em Fátima, um seminário organizado pela CNIS, tendo por tema A Família face à Exclusão. Como é por demais sabido, as transformações dos modelos familiares tradicionais têm-se vindo a alterar acarretando, cada vez mais, uma maior individualização dos seus núcleos.
Estas transformações, associadas à existência, em crescendo, de famílias mono parentais, maioritariamente constituídas por mulheres com dificuldades económicas acrescidas e impossibilitadas de poderem conciliar a sua vida familiar com a profissional, agravam-se com as escassas possibilidades de acesso a instituições de solidariedade de apoio às estruturas familiares, aspectos que nada contribuem para o acompanhamento das suas crianças e sobretudo dos seus idosos dependentes, que vivem sós e em situação de risco.
Os pressupostos anteriores, aliados à evolução do envelhecimento demográfico, ao número crescente de novos imigrantes / minorias étnicas, agravam-se se tivermos em conta o aumento do número crescente de desempregados, maioritariamente do sexo feminino, com baixas qualificações escolares e profissionais.
Urge dar mais atenção às estruturas familiares e dinamizar politicas sociais que apoiem a unidade da família e a dignifiquem, mas sobretudo promovam o seu desenvolvimento, de forma a poder-se minorar o agravamento da exclusão social em Portugal.
Estas preocupações da CNIS são comuns a grandes figuras públicas, como as de Sua Eminência o Senhor Cardeal Patriarca e as de Sua Ex.ª o Senhor Presidente da República, que recentemente deixou transparecer numa entrevista à Revista Economia Social que "Eventuais recuos nas politicas sociais, podem ter efeitos muito gravosos (...) e conduzir ao aumento da pobreza", defendendo que só, "uma articulação entre o Estado, sector privado e sector social, permitirá dar sentido útil à noção de rede social de protecção e apoio aos grupos sociais desfavorecidos" (SIC).
É este o tema das nossas preocupações, que em conjunto pretendemos debater, para assinalar o Ano Internacional da Família.

Solidariedade, Maio de 2004

 

Data de introdução: 2004-10-22



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...