Rotary Clube de Abrantes apoia o CRIA

O Rotary Clube de Abrantes começou por aceitar o desafio de participar, por um dia, na quermesse da Mostra de Artesanato das Festas da Cidade de Abrantes e oferecer os lucros ao Centro de Recuperação Infantil de Abrantes. Face a esta disponibilidade e à oferta de exploração de um quiosque de café oferecido pelo Grupo Delta para que a receita revertesse a favor de uma Instituição Particular de Solidariedade Social, o Rotary Clube de Abrantes aceitou também este desafio lançado pela Câmara Municipal de Abrantes. Assim, o Rotary Clube de Abrantes, com o apoio de funcionários do CRIA, durante os dias que decorreram as Festas venderam cafés a muitas centenas de visitantes para contribuírem monetariamente para os projectos desta Instituição, há trinta anos ao serviço das pessoas portadoras de deficiência.

António Domingues, actual Presidente do Rotary Clube de Abrantes, enquanto vendia rifas animadamente na quermesse ou tirava um café no stand oferecido pelo Grupo Delta, explicava que esta foi uma das formas encontradas para apoiar o CRIA, “um contributo para a construção do novo Lar Residencial”.

Em final de mandato, António Domingues faz um balanço “bastante positivo” do trabalho que foi desenvolvido ao longo do ano, sempre com a perspectiva do apoio a projectos e obras sociais, bem como a um conjunto significativo de jovens estudantes que são bolseiros do Rotary Clube de Abrantes, em parceria com empresas da região.
Ao que tudo indica o grande projecto de intervenção social para o próximo ano Rotário será o Centro de Recuperação Infantil de Abrantes e o apoio ao trabalho que desenvolve na área da deficiência e apoio social à comunidade.

José Luís Silva será, a partir do final deste mês e durante um ano, o Presidente do Rotary Clube de Abrantes.

 

Data de introdução: 2007-06-17



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...