ESCLEROSE MÚLTIPLA

Portugueses conhecem de perto impacto da doença

No âmbito da celebração do 2º Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla, que se assinala no próximo dia 4 de Dezembro, a Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla lança o desafio a todos os portugueses: experimentar por momentos os sintomas desta doença neurológica inflamatória e degenerativa crónica que condicionam o quotidiano destes doentes.

A acção de sensibilização dirigida a toda a população tem lugar no Centro Colombo entre os dias 27 de Novembro e 4 de Dezembro, inserindo-se no projecto da Sonae Sierra, Saúde no Centro, desenvolvida em conjunto com instituições de saúde, que prevê proporcionar aos visitantes dos Centros, um serviço de utilidade pública, através da realização de rastreios e acções informativas.

Este ano, a SPEM resolveu desenvolver uma iniciativa junto da população. Este tipo de iniciativas são fundamentais para esclarecer a população sobre a doença, fazendo com que fiquem mais alerta a possíveis sintomas. Apesar de não ser possível prevenir esta doença, é fundamental promover um diagnóstico precoce para que o acompanhamento e tratamento adequados possam ser também precoces. Só assim poderemos, de alguma forma, evitar ou reduzir a progressão da doença".

Todos os visitantes do Centro Colombo serão convidados a desempenhar pequenas tarefas rotineiras como apertar um botão ou descascar uma maçã dificultadas por mecanismos que recriam os sintomas da doença. Visão turva, dificuldade de coordenação de movimentos, perda de equilíbrio são apenas alguns sintomas que serão recriados nesta acção de sensibilização para exemplificar as dificuldades que os doentes com Esclerose Múltipla vivem diariamente. Tarefas simples, mas que grande parte dos doentes não consegue desempenhar sem ajuda.

Actualmente os doentes são diagnosticados tardiamente, sendo encaminhados para o médico neurologista quando a doença já se encontra num estadio mais avançado o que torna também mais difícil o tratamento. Apesar de não haver cura para a EM, é possível retardar os seus efeitos com terapêuticas que, se ministradas após os primeiros surtos, podem abrandar a progressão da incapacidade e reduzir a recidivas da doença"

A EM é a segunda causa de incapacidade em jovens (depois dos acidentes de viação) com o primeiro surto a ocorrer entre os 20 e os 40 anos. Tem como principais sintomas a fadiga, problemas de equilíbrio, rigidez, dificuldades na fala, alterações psicológicas e adormecimento de partes do corpo, disfunção sexual, são alguns dos sintomas da patologia. Mais de metade dos doentes com Esclerose Múltipla tem dificuldade a andar, problemas urinários e perturbações de memória.

Dos doentes que estão a ser tratados, cerca de 2/3 caminha para uma situação de dependência. Esta evolução pode fazer-se ao longo de 30 anos ou não chegar a ocorrer. Há no entanto ainda que menos frequentes, casos de evolução rápida ainda hoje e apesar da terapêutica. Contudo, a inexistência de um estudo que avalie a real dimensão da doença no nosso país não permite saber de quem ficam dependentes estes doentes, quantos doentes não se tratam, onde se tratam, que estruturas de apoio social existem para prestar apoio aos doentes, e é notória, nestes casos a quase ausência de acesso a equipas de Reabilitação Neurológica adequada

O Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla foi institucionalizado em 2006, tendo como principal objectivo evidenciar a patologia e a qualidade de vida dos doentes, gerando um momento de discussão sobre a qualidade de vida dos doentes com EM e sobre a necessidade de melhorar os cuidados a eles prestados assim como consagrar a relevância atribuída às problemáticas relacionadas com a doença pelos poderes instituídos.

A Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla é uma doença crónica do sistema nervoso central que afecta cerca de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 5000 indivíduos em Portugal. A doença tem maior prevalência no sexo feminino, com o primeiro surto a ocorrer geralmente entre os 20 e os 40 anos. Os sintomas clínicos da Esclerose Múltipla podem incluir problemas de visão, perda de equilíbrio, dormência, dificuldades em andar e paralisia.

 

Data de introdução: 2007-11-30



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...