Solidariedade: Portugal no fundo da tabela

Os países nórdicos, seguidos de perto pela Comissão Europeia, lideram o ranking de donativos para causas humanitárias, enquanto Portugal se situa no 21º lugar, segundo um relatório divulgado em Londres pelo ex-Secretário Geral das Nações Unidas Kofi Annan, noticia a Lusa.

O estudo "Índice de Resposta Humanitária 2007" foi realizado pela fundação Dara Internacional e é o primeiro instrumento no mundo de medição da actuação individual dos doadores humanitários.

O documento agora divulgado classifica 23 países doadores do Comité de Ajuda ao Desenvolvimento da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) com base no seu compromisso com os princípios e boas práticas da doação humanitária.

Segundo o estudo, a Suécia ocupa o primeiro lugar no ranking, seguida da Noruega, Dinamarca e Holanda, enquanto a Comissão Europeia surge em quinto lugar.

Portugal está em 21º lugar no conjunto dos 23 doadores com uma pontuação de 3,96 valores (numa escala de 1 a 7), ficando apenas acima da Itália e da Grécia.

Como resultado do aumento do número de desastres naturais e conflitos, a ajuda humanitária cresceu significativamente, convertendo-se num vector cada vez mais importante da ajuda internacional.

Fonte: Portugal Diário

 

Data de introdução: 2007-12-08



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.