TRÁFICO DE SERES HUMANOS

Cerca de 600 mil pessoas são traficadas anualmente dentro do território europeu

A Convenção do Conselho da Europa para a Luta contra o Tráfico de Seres Humanos entrou em vigor, no início de Fevereiro, apesar de o documento estar ainda por ratificar na maioria dos Estados membros da organização, incluindo em Portugal.
"Finalmente, a Europa tem uma arma eficaz contra a escravatura moderna", afirmou o secretário-geral do Conselho da Europa, Terry Davis, aludindo às cerca de 600 mil pessoas que são traficadas anualmente dentro do território europeu.
O documento é, segundo o secretário-geral, "um marco dentro dos esforços da Europa para bloquear esta situação escandalosa".
Mais de 80 por cento das vítimas de tráfico humano são mulheres e crianças, das quais cerca de 70 por cento säo forçadas a prestar serviços de natureza sexual, referiu o mesmo responsável. Outras vítimas são vendidas para exploração laboral, adopções ilegais e transplantes de órgãos.
"Depois do tráfico de armas e drogas, o tráfico de seres humanos é a terceira actividade criminal mais lucrativa no mundo inteiro", destacou Terry Davis.
"Com a entrada em vigor desta Convenção, esperamos conseguir uma luta mais eficaz contra esta intolerável barbárie moderna, que só pode ser contornada por um esforço colectivo de uma Europa unida", reforçou o presidente da assembleia do Conselho da Europa, o espanhol Luis María de Puig.
A Convenção aplica-se a todas as formas de tráfico de seres humanos, sejam nacionais ou transnacionais, com ligação, ou não ao crime organizado e a todas as vítimas de tráfico de seres humanos, obedecendo a um princípio de não discriminação.
A declaração contém uma clara definição de vítima de tráfico, com uma acentuada relevância na questão dos Direitos Humanos, e prevê a assistência às vítimas aos mais diversos níveis, como saúde, representação jurídica e serviços de tradução.
O documento permite ainda, entre outras medidas, um reforço da cooperação internacional para a investigação e captura de potenciais traficantes e a criação de um sistema de monitorização permanente - denominado GRETA - entre países.
Portugal é um dos 33 países do Conselho da Europa, organização pan-europeia sedeada em Estrasburgo, França, que ainda não ratificaram/confirmaram a Convenção nos respectivos parlamentos nacionais, de acordo com um comunicado da organização.

02.01.2008
Até agora, apenas 14 dos 47 países que compõem o Conselho ratificaram a Convenção, que começou a ser assinada em Maio de 2005, em Varsóvia, altura em que foi subscrita pela República Portuguesa.
Dez países membros, entre os quais Rússia, Espanha, Suíça, Turquia e República Checa, ainda nem sequer assinaram a Convenção, lê-se ainda no comunicado do Conselho da Europa.

 

Data de introdução: 2008-02-05



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.