GRAÇAS À SOLIDARIEDADE DE TERCEIROS

Trocou cadeira de rodas manual por uma eléctrica

Uma empresa de Alcanena garantiu o dinheiro em falta para a compra da cadeira.

Foi no dia 6 de Junho que uma comissão de moradores da aldeia de Curvaceiras, Paialvo, Tomar, deu por terminada a sua missão. O grupo vinha a organizar, desde Janeiro, uma acção de solidariedade com vista à obtenção de fundos para adquirir uma cadeira de rodas electrica, orçada em três mil euros, para uma habitante da aldeia.

Como tal organizaram, a 11 de Maio, uma festa de angariação de fundos para comprar uma cadeira de rodas eléctrica para Clementina Vicente, 47 anos, que tem dificuldades em movimentar-se devido a uma doença genética degenerativa e pouco saía à rua na sua cadeira de rodas manual. Na iniciativa só conseguiram arrecadar metade do bolo. Outros donativos foram recolhidos, à posteriori, sendo que a quantia em falta, 550 euros, foi oferecida por uma empresa de Alcanena, a AJUDEF, que tomou conhecimento da acção de solidariedade através de O MIRANTE.

“Logo que li a notícia pensei que, uma vez que não poderia dar emprego a esta senhora por morar longe, poderia dar a quantia que faltava para adquirir a cadeira de rodas eléctrica”, explicou Isabel Oliveira, sócia da empresa, que dá apoio e trabalho a pessoas portadoras de deficiências fisicas e mentais (ver caixa).

Manuel Coentro, porta-voz da comissão, diz não ter palavras para agradecer “tão nobre gesto”, salientando o facto de ter sido uma empresa “de fora do concelho de Tomar” a que contribuiu com a maior dádiva. “Pedimos um donativo a todas as juntas de freguesia do concelho de Tomar mas houve algumas que não deram nada, o que lamentamos”, referiu, salientando que o facto de esta comissão se ter deslocado a Alcanena para ir buscar um donativo de 550 euros é um gesto “de uma enorme grandeza”, uma vez que são pessoas de fora que estão a ajudar esta causa.

“O vosso contributo, que foi o de maior valor por nós recebido, vai possibilitar dar uma qualidade de vida que a Clementina não tinha até aqui”, referiu Manuel Coentro, acompanhado pelo pai da benefeciária, visivelmente emocionado. Maria Rodrigues, outra das impulsionadoras deste movimento de solidariedade entregou, em troca, um ramo de flores, à representante da empresa que permitiu a concretização de um desejo seu: fazer com que a vizinha, que tantas vezes via através da janela, fechada em casa, saísse mais vezes para a rua.

Clementina Vicente não se deslocou a Alcanena para conhecer quem a ajudou, visita que ficou prometida pelo seu pai para mais tarde. Já nas Curvaceiras fomos encontrá-la, radiante, na sua cadeira nova, uma vez que, segundo a comissão, a empresa disponibilizou-se a entregar a cadeira mesmo sem esta estar paga na totalidade. “Agora já posso passear mais e, facilmente, vou a qualquer lado sozinha”, disse Clementina que ganhou, desde então, um novo brilho no olhar.

Fonte: O Mirante Online

 

Data de introdução: 2008-06-26



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.