CABO VERDE

Portugal dá 1,45 milhões euros para projectos de formação profissional e combate à pobreza

O Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) de Portugal vai apoiar Cabo Verde com um 1,45 milhões de euros este ano para a implementação de projectos de formação profissional e combate à pobreza.
A homologação do programa de cooperação teve lugar sábado, dia 26, na capital cabo-verdiana, entre o Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal, Vieira da Silva, e a Ministra do Trabalho, Formação Profissional e Solidariedade, Madalena Neves.

Vieira da Silva explicou que este montante será aplicado prioritariamente na formação profissional mas engloba o combate à pobreza.

"Este orçamento, estimado para o corrente ano, estrutura-se nestas duas actividades a formação profissional (cerca de 800 mil euros) e o restante na área social do combate à pobreza e da cooperação no domínio do sistema de protecção social", acrescentou.

Vieira da Silva disse ainda que a cooperação entre os dois países tem vindo a crescer e perspectiva que no futuro o emprego e formação profissional será estruturante nas relações entre os dois países.

"No futuro a área do emprego e do trabalho tenderá a ser cada vez mais a área estruturante nas relações de cooperação entre os dois governos porque é esta a aposta que nós fazemos, sem deixar de lado intervenções de acções de promoção de uma rede social destinada a trabalhar junto dos mais frágeis, as crianças, os idosos", disse.

Na área da formação profissional, os projectos financiados no âmbito deste programa de cooperação, tem a ver com a formação de jovens, ajudas ao primeiro emprego e acções de formação na área das novas estruturas do Ministério.

Em relação ao combate a pobreza e protecção social, o MTSS apoia projectos de combate à pobreza e exclusão social em cinco ilhas.

O protocolo de cooperação assinado este ano indica que vão ser ajudadas 12 instituições, como um centro de idosos na ilha do Fogo, três centros de apoio a crianças e jovens em risco e instituições que desenvolvem projectos de microcrédito.

A Ministra do Trabalho, Formação Profissional e Solidariedade, Madalena Neves defendeu que a cooperação neste domínio está em fase de consolidação.

"Esta cooperação está em fase de consolidação, existe já entre Cabo Verde e Portugal uma história de cooperação importante neste domínio. O programa relativo a 2008 vai permitir a implementação de programa importantes nos domínios da integração, da protecção social e da formação profissional. Nós estamos a trabalhar para modernizar o país e este programa vai trazer um contributo importante para o desenvolvimento social e formação profissional no país", afirmou.

O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal presidiu sexta-feira, na ilha do Fogo, ao lançamento da primeira pedra para a construção de um Centro de Formação.

No final da vista a Cabo Verde, Vieira da Silva ofereceu uma viatura ao Ministério do Trabalho, Formação Profissional e Solidariedade Social de Cabo Verde.

Portugal tem apoiado Cabo Verde na área das crianças em situações de risco das Ilhas de Santiago e Sal, no desenvolvimento da protecção social e no emprego e formação profissional.

Desde 1994 até agora, o Ministério do Trabalho de Portugal tem apoiado Cabo Verde com uma média anual de 1,2 milhões de euros.

Fonte: SAPO Notícias/LUSA

 

Data de introdução: 2008-07-27



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.