DESEMPREGO

Taxa cai 0,2 pontos para 7,7% no 3º trimestre

A taxa de desemprego em Portugal caiu 0,2 pontos no terceiro trimestre, face igual período de 2007, para 7,7 por cento, e subiu 0,4 pontos face aos três meses anteriores, anunciou hoje o INE. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a população desempregada foi estimada em 433,7 mil indivíduos, o que corresponde a um decréscimo de 2,4 por cento face ao terceiro trimestre de 2007 (homólogo) e a um aumento de 5,8 por cento em relação aos três meses anteriores.

A contribuir para a variação negativa esteve a diminuição no número de mulheres desempregadas em 6,8 mil, mas também a diminuição do número de homens desempregados, embora o seu contributo para a redução global do desemprego tivesse sido menor (3,9 mil indivíduos).

O aumento da taxa de desemprego em relação ao segundo trimestre resultou, por sua vez, da subida do número de mulheres desempregadas, pessoas entre 15 e 34 anos, indivíduos com nível de escolaridade completo correspondente ao ensino superior, à procura do primeiro e novo emprego e também desempregados à procura de emprego há menos de um ano.

Já o emprego teve uma evolução diferente, com as comparações homóloga e trimestral a recuarem ambas.

O número de empregados diminuiu 0,1 por cento, quando comparado com o mesmo trimestre de 2007 e 0,6 por cento relativamente ao trimestre anterior.

A contribuir para esta quebra homóloga esteve, nomeadamente, de acordo com o INE, o sector da indústria, construção, energia e água que empregou menos 74,6 mil indivíduos. "Esta diminuição deveu-se em grande medida às actividades da indústria transformadora (que empregaram em conjunto menos 54,1 mil indivíduos), explicando 72,5 por cento da diminuição do emprego no sector", explica.
No sector da agricultura, silvicultura e pesca, o emprego diminuiu ligeiramente, abrangendo as 2,8 mil pessoas.

Em contrapartida, de acordo com o INE, no sector dos serviços o emprego aumentou em 72,9 mil indivíduos, sobretudo nas actividades da educação e alojamento e restauração.

Por regiões, as taxas de desemprego mais elevadas foram registadas nas regiões Norte e Alentejo, ambas a chegar aos 9,1 por cento e os valores mais baixos foram encontrados nos Açores (5,2 por cento) e Centro (5,7 por cento).

Face ao trimestre homólogo, a taxa de desemprego diminuiu no Norte, Lisboa e Madeira e aumentou no Centro, Alentejo, Algarve e Açores. Em relação ao trimestre anterior, verificou-se um acréscimo na taxa de desemprego em todas as regiões, com excepção do Algarve e Regiões Autónomas, onde baixou e a de Lisboa, onde se manteve.

O maior acréscimo trimestral ocorreu no Norte, onde a taxa de desemprego subiu 0,9 pontos percentuais em relação ao segundo trimestre deste ano.



1T/2008 - 2T/2008 - 3T/2008
População Activa 5.618 - 5.638 - 5.629,5
Taxa de Actividade 52,9 - 53,1 - 53,0
População Empregada 5191 - 5228,1 -  5.195,8
Taxa de Emprego 57,8 - 58,1 - 57,7
População Desempregada 427 -  409,9 - 433,7
Taxa de Desemprego 7,6 - 7,3 -  7,7

3T/07 - 3T/08
População Activa 5.644,7 - 5.629,5
Taxa de Actividade 53,2 - 53,0
População Empregada 5.200,3 -  5.195,8
Taxa de Emprego 58 - 57,7
População Desempregada 444,4 - 433,7
Taxa de Desemprego 7,9 - 7,7

Fonte: INE

18.11.2008 
 

 

Data de introdução: 2008-11-18



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...